Nintendo no Brasil: quais os planos da empresa agora que voltou ao país?

Sem prometer venda de jogos físicos ou tradução para os games já lançados, a empresa fala sobre o futuro

Priscila Ganiko Publicado por Priscila Ganiko
Nintendo no Brasil: quais os planos da empresa agora que voltou ao país?

A Nintendo lançou oficialmente o Nintendo Switch no Brasil em 18 de setembro (veja) e, embora o lançamento só tenha acontecido agora em 2020, a empresa está trabalhando em voltar ao país desde 2017, quando o console saiu no Japão e em outras regiões.

Foram apenas três anos, mas nesse período de tempo o valor do dólar subiu mais de 50% em relação ao real e tanto a Sony quanto a Microsoft revelaram seus novos videogames — que serão lançados por aqui ainda em 2020. Com um console “da geração passada” e a desvantagem de chegar em meio a uma crise econômica, a fabricante japonesa apostou em estratégias para tornar seus produtos acessíveis para os brasileiros.

Adequar-se à realidade do Brasil significa que, embora o Nintendo Switch esteja sendo vendido oficialmente, não podemos esperar o mesmo das versões físicas dos jogos, e muito menos de games que usam acessórios como o Mario Kart Live: Home Circuit.

Outras questões muito comentadas, como a localização dos jogos para português, preços e até mesmo um pouco da “filosofia Nintendo” foram temas da conversa que nós, do NerdBunker, tivemos com Romina Whitlock, diretora de marketing da Nintendo para a América Latina.

Romina Whitlock, responsável pelo marketing da Nintendo na América Latina

Preços

O lançamento do console chega em um momento crítico, com o real brasileiro desvalorizado perante a economia mundial, e isso afeta os preços praticados no Brasil.

O valor de compra dos produtos é diretamente influenciado pelas variações de câmbio, mas Whitlock tem esperanças de que a situação melhore justamente por terem lançado em um momento tão ruim.

Reafirmando a intenção de tornar os produtos acessíveis, ela confirma que, caso a situação do real em relação ao dólar melhore no futuro, é possível que os preços sejam revistos e diminuídos:

Se você pensar, viemos [para o Brasil] em um dos períodos mais difíceis dos dois países, por conta da pandemia. Espero que no futuro a longo prazo, que no ano que vem, estejamos em um momento melhor, e que isso acabe nos ajudando com o preço, e que a situação não piore.

Antes mesmo que o console chegasse oficialmente por aqui, já era possível encontrar os jogos de Nintendo Switch sendo vendidos de forma oficial através da Loja Nintendo ou até mesmo de cartões físicos em redes como Lojas Americanas. “Demos preferência a entregar jogos para quem já tinha o console”, conta Whitlock, explicando que a decisão visou facilitar a compra com métodos de pagamento locais, abandonando a necessidade de ter um cartão internacional para adquirir os títulos.

Quem quer comprar a versão física dos jogos, porém, vai continuar dependendo de compras internacionais. Não há planos para distribuir oficialmente ou produzir os cartuchinhos por aqui porque não compensaria para o consumidor: levando em consideração as taxas, o valor ficaria muito alto.

Além disso, a Nintendo optou por apostar no formato digital pois há maior flexibilidade na hora de aplicar promoções, por exemplo.

Localização

Um ponto muito solicitado pelos jogadores é a localização dos jogos da Nintendo para o português. A presença de produtos distribuídos de forma oficial no país não é algo diretamente relacionado a questões dos softwares, como a tradução, portanto, não influencia nesse quesito.

Mesmo assim, Whitlock explica que há alguns jogos disponíveis em português: os mobile. Há apenas uma equipe responsável pela localização na empresa e, atualmente, ela está focada nos games para celulares e outros dispositivos móveis.

Apesar disso, a diretora de marketing garante que os pedidos por jogos em português não estão sendo ignorados:

Nós não necessariamente respondemos a comentários em nossas redes sociais, mas saibam que estamos lendo tudo — nós lemos, resumimos e reportamos. É algo que definitivamente é ouvido, é um objetivo. Infelizmente não estamos nesse ponto ainda, mas é uma meta.

A Nintendo tem uma equipe só e prioriza jogos mobile: Mario Kart Tour, por exemplo, está em português

Ritmo próprio

Durante nossa conversa, um ponto muito frisado por Whitlock foi o de que a empresa trabalha em seu próprio tempo, e só entrega os produtos, melhorias e até mesmo jogos quando eles estão prontos.

Como exemplo, ela cita o lançamento do Nintendo Switch, que aconteceu no mês de março, bastante tempo após o período de alta demanda por esse tipo de produto, que acontece por volta do Natal.

A maioria das pessoas perguntaria ‘por que vocês não lançaram no período de festas, quando as vendas são muito maiores?’ E a resposta é porque a nossa missão é trazer sorrisos para as pessoas. Então ao invés de esperar por quando poderíamos “fazer mais dinheiro”, nós lançamos as coisas quando elas estão prontas.

A pandemia mexeu com os planos da Nintendo, mas nada que não pudesse ser contornado. Justamente por não trabalhar no mesmo ritmo que o mercado, não havia algo engessado. E, enfim, no dia 18 de setembro o Nintendo Switch chegava ao Brasil. “Foi quando estava pronto para estar nas lojas.”, conta.

E não havia nada super especial nessa data específica, foi só a data em que estava pronto. Não foi algo que há um ano atrás pensamos ‘ah, setembro é o mês’, não. Foi algo natural.

Outros produtos e planos futuros

Se é difícil lançar o cartucho com os jogos físicos por aqui, jogos com acessórios como o Ring Fit Adventure, o Mario Kart Live: Home Circuit e o Nintendo Labo estão fora do planejamento atual da empresa para o Brasil.

Quando levamos em consideração produtos licenciados, a situação é um pouco diferente. A marca trabalha com empresas nacionais para entregar roupas, colecionáveis e outros produtos ao público brasileiro.

Algo que está dentro do planejamento, porém, é o Nintendo Switch Lite, a versão que é apenas portátil do videogame, que tem lançamento nacional previsto para 2021. “Provavelmente entre o primeiro ou segundo trimestre de 2021, ainda não tenho uma data específica”, conta Whitlock.

Nos bastidores dos games, a Nintendo também está investindo no mercado brasileiro: a empresa certificou e está trabalhando em entregar consoles equipados com softwares e ferramentas que auxiliam no desenvolvimento de jogos, conhecidos como devkits (GDK), para os estúdios de games nacionais.

Para o futuro, ela reafirmou que o Brasil é um mercado importante por conta dos fãs da empresa, e que a aparente “demora” para o retorno foi apenas para garantir que não deixarão o país tão cedo.

Isso é o que a gente faz: nós surpreendemos, e nós encantamos. Esse é apenas o começo.