Bioshock Infinite é um FPS profundo e simbólico que te fará pensar

O #30Dias30Dicas chega com uma recomendação à altura das nuvens

Tayná Garcia Publicado por Tayná Garcia
Bioshock Infinite é um FPS profundo e simbólico que te fará pensar

Bioshock Infinite é um FPS que se passa em um cenário um tanto inusitado: uma metrópole steampunk chamada Columbia, que literalmente flutua no céu, apenas para ter suas próprias leis e regras longe de qualquer outra sociedade.

A história acompanha Booker DeWitt, um detetive desacreditado que, para pagar uma dívida, aceita o trabalho nada fácil de explorar a cidade flutuante em busca de uma mulher misteriosa chamada Elizabeth. No entanto, as coisas se complicam quando ele é acusado de ser o “anticristo” de Columbia.

Poucos jogos de tiro em primeira pessoa conseguem entregar uma história tão profunda, subjetiva e simbólica quanto Infinite, que aborda diversos temas atuais como religião, preconceito e redenção, além de brincar com elementos de ficção científica, como cruzamento de linhas temporais.

A trama ainda consiste em excelentes construções de personagens e da relação entres eles, principalmente entre Booker e Elizabeth. O cinismo e a frieza do protagonista são desconstruídos pela esperança e ingenuidade da garota.

A relação da dupla ainda afeta a jogabilidade, sobretudo nos combates. Ela é um NPC acompanhante que realmente ajuda a eliminar os inimigos, já que consegue abrir fendas no espaço e tempo. Não esquecendo que o próprio protagonista altera entre armas de fogos e poderes paranormais, que podem ser combinados.

Columbia é um lugar perigoso para céticos como Booker e Elizabeth, já que é habitada por pessoas que cultuam o criador da cidade, o profeta Comstock. Só que nem tudo é preto no branco, e o jogador vai descobrir que, quando mais avançar na história, mais complicado tudo ficará.

Bioshock Infinite é uma daquelas experiências que inevitavelmente ficam na memória e, quanto mais você joga de novo, descobre outros detalhes que não percebeu antes. A expansão Burial at Sea ainda é o ápice da história, servindo como ponto de encontro para todos os jogos da franquia e também para o desfecho definitivo dela.

Lembre-se: “Sempre haverá um farol, um homem e uma cidade”.


Esta é a décima sexta dica do projeto da redação do NerdBunker#30Dias30Dicas. Durante trinta dias vamos publicar uma dica por dia aqui no site e em nossas redes sociais. TwitterInstagram e Facebook. A ideia é mostrar um pouco mais do que estamos consumindo por aqui: livros, animes, séries, filmes, etc. E ajudar o leitor nessa batalha que é encontrar algo legal no meio de tanta oferta.

E temos outras dicas no ar. Só escolher e clicar no nome abaixo e conferir!

  1. Dorohedoro (anime)
  2. The Arcana (jogo)
  3. Upload (série)
  4. I Am Not Okay With This (série)
  5. Floresta dos Medos (HQ)
  6. Undertale (jogo)
  7. O Sorriso da Hiena (livro)
  8. Um Lugar Chamado Notting Hill (filme)
  9. Haikyuu!! (anime)
  10. Bloodborne (jogo)
  11. The Wicked + The Divine (HQ)
  12. Sayonora Wild Hearts (jogo)
  13. Gravity Falls (série)
  14. Vignettes (jogo)
  15. A Voz do Silêncio (filme)