WandaVision | Estranheza e mistérios embalam primeiros episódios da nova série

Com uma produção completamente diferente, a Marvel prova que sabe fazer muito além de boas cenas de ação

Fernanda Talarico Publicado por Fernanda Talarico
WandaVision | Estranheza e mistérios embalam primeiros episódios da nova série

WandaVision é a primeira série roteirizada da Marvel feita para o Disney+ e, depois de tanto tempo sem uma produção do MCU (todas as previstas para 2020 foram adiadas em decorrência da pandemia de COVID-19, o novo coronavírus), temos o primeiro título lançado após Vingadores: Ultimato (2019) e Homem-Aranha: Longe de Casa (2019).

Ao chegar no mundo dos seriados, o MCU mostra que sabe ser versátil o bastante para não entregar mais do mesmo. WandaVision é diferente do que estamos acostumados com os filmes da Marvel, pois não tenta explicar absolutamente nada do que está acontecendo e tudo que sabíamos é meio que desconsiderado.

[Aviso: O texto abaixo contém spoilers e recomendamos assistir aos episódios antes de continuar.]

O formato dos episódios imita sitcoms antigas, inclusive as aberturas mudam em cada um deles para fazer homenagens a títulos como I Love Lucy e A Feiticeira. Os primeiros dois capítulos são mostrados inteiramente em preto e branco, justamente para enfatizar esse clima retrô. Nesse contexto, somos apresentados à rotina do casal Wanda Maximoff  (Elizabeth Olsen) e Visão (Paul Bettany). Os dois vivem no subúrbio e parecem ter uma vida quase normal, afinal, eles são super-heróis e tentam esconder os seus poderes dos vizinhos e colegas de trabalho.

A trama, até então, é cautelosa ao introduzir ao espectador qual o seu objetivo. Desta maneira, o primeiro episódio mostra Wanda e Visão vivendo a própria comédia dos anos 1950, abordando assuntos e situações da época. Em um tom quase ingênuo, a Feiticeira Escarlate conversa com uma amiga para entender “como agradar o seu marido” ou pede ajuda para preparar um jantar — bastante diferente do que estamos acostumados quando falamos de Marvel e as cenas de ação de tirar o fôlego.

Wanda e Visão vivem uma “vida perfeita” no “passado?” (Imagem: Marvel Studios)

A maioria dos eventos não parece agregar muito à história, até chegar em uma determinada cena na qual o casal é questionado com perguntas básicas, como: “há quanto tempo são casados?” e “de onde vocês vieram?”. A partir desse momento, entendemos que algo muito estranho está acontecendo, pois nenhum dos dois consegue se lembrar de detalhes de seus passados. Então, o clima de estranheza só aumenta.

Como já sabemos que a produção se passa no MCU e após os eventos de Vingadores: Ultimato, é possível nos questionarmos sobre qual realidade estamos assistindo, afinal Visão morreu e ainda não é explicado como ele pode estar em WandaVision. A principal especulação nesse ponto é a de que a série está se inspirando na trama da HQ Dinastia M (2005), na qual Wanda cria realidades paralelas, o que justificaria a presença de Visão.

O fim do primeiro capítulo mostra que alguém está assistindo ao programa estrelado por Wanda e Visão, deixando a entender que ambos estão em um ambiente controlado, mas sem dar respostas, apenas instigando a curiosidade.

A ótima atuação do elenco, somada à curiosidade gerada pela trama, faz com que o primeiro episódio prenda o espectador, além de mostrar a capacidade da Marvel de inovar em suas produções. O clima de distorção da realidade se aproxima de Twin Peaks e Além da Imaginação, e faz isso de maneira sutil, com textos divertidos entre os personagens e uma boa qualidade de efeitos e recursos.

O segundo episódio se aprofunda um pouco mais nos mistérios que rondam a série. Wanda e Visão participam do show de talentos de seu bairro e, ao se encontrar com as outras mulheres da vizinhança para conversar sobre os preparativos, Wanda conhece Geraldine, interpretada por Teyonah Parris. Quem acompanha as notícias sobre o MCU sabe que se trata de Monica Rambeau, a filha da melhor amiga da Capitã Marvel. No entanto, ainda não fica claro o seu real papel na trama ou o por que ela não se apresenta como Monica.

Wanda conhece Geraldine, que conhecemos como Monica Rambeau (Imagem: Marvel Studios)

O capítulo começa a trazer alguns detalhes coloridos que parecem querer dizer algo, como uma “falha” na realidade que vemos. O vermelho aparece em um helicóptero de brinquedo que apresenta o símbolo da S.W.O.R.D. (a agência antiterrorismo que foi fundada a partir da S.H.I.E.L.D) e no sangue na mão de uma das colegas de bairro de Wanda, que quebra um copo no momento em que alguém parece tentar fazer contato com a Feiticeira Escarlate usando um rádio.

Por fim, a sensação de que algo está muito errado toma conta da série a partir de uma sequência na qual Wanda descobre que está grávida. Sua barriga cresce repentinamente e, ao sair de casa para investigar um barulho estranho, a personagem vê um homem com roupa de apicultor saindo do bueiro. Visivelmente incomodada, ela volta o tempo e muda o rumo do eventos drasticamente, transformando o seriado inteiro em uma produção em cores quando, até o momento, estava completamente em preto e branco. Tudo isso parece ter sido feito para evitar o encontro com o misterioso homem.

Wanda descobre que está grávida “do nada” (Imagem: Marvel Studios)

E, assim, com ainda mais perguntas em aberto, termina o segundo episódio.

O que esperar?

WandaVision ainda não se revelou completamente, afinal, este é apenas começo. Porém, com dois episódios, a série já é capaz de deixar qualquer fã da Marvel morrendo de curiosidade para entender como os acontecimentos se encaixam e modificam o MCU. Uma ligação com o segundo filme do Doutor Estranho, chamado de Doctor Strange in the Multiverse of Madness, já foi anunciada, mas ainda é muito cedo para afirmar com certeza os elementos que farão esta conexão.

Mesmo sem referenciar diretamente acontecimentos das outras produções que abordam o universo cinematográfico da Marvel, há vários easter eggs, como as propagandas que aparecem no meio dos episódios com produtos das Indústrias Stark e da Hydra.

Com apenas dois episódios, as intervenções sutis em uma realidade que emula uma “vida perfeita” e o mistério de WandaVision provam que a Marvel pode entregar muito além de grandes filmes de ação, transitando entre diferente gêneros e formatos, sem perder a qualidade e essência, expandindo o próprio universo.

Claro, ainda faltam sete episódios, mas tudo indica que a série renovará a maneira como o público entende o que é “uma produção Marvel.”

div-ad-vpaid-1
div-ad-sidebar-1
div-ad-sidebar-halfpage-1