Lost Kids: HQ brasileira produzida por artistas do mundo todo

Um pacote misterioso é aberto por cinco adolescentes no meio de um corredor escolar, dentro dele apenas uma misteriosa bola brilhante e um bilhete: “Busquem Samarkand”. Em segundos, uma forte luz toma todo o corredor, consumindo os cinco jovens. Quando a luz recede, todos desapareceram… É com essa premissa que a mini-série em Quadrinhos “Lost […]

Divulgação Publicado por Divulgação
Lost Kids: HQ brasileira produzida por artistas do mundo todo

LK270801

Um pacote misterioso é aberto por cinco adolescentes no meio de um corredor escolar, dentro dele apenas uma misteriosa bola brilhante e um bilhete: “Busquem Samarkand”.

Em segundos, uma forte luz toma todo o corredor, consumindo os cinco jovens. Quando a luz recede, todos desapareceram…

É com essa premissa que a mini-série em Quadrinhos “Lost Kids: Buscando Samarkand” começa, com o grupo de jovens sendo misteriosamente transportados do nosso mundo para outro fantástico.

Agora, eles terão que deixar as diferenças de lado para encontrarem uma maneira de voltarem para suas vidas normais. E a única esperança deles é localizar a mitológica cidade de Samarkand, berço dos Deors, uma poderosa e extinta civilização que talvez tenha descoberto outros mundos e como navegarem entre eles.

O cineasta Felipe Cagno, criador do projeto, adaptou seu roteiro cinematográfico original ao novo formato de Graphic Novel e contou com uma equipe de mais de quinze artistas do mundo todo para dar vida à história em um livro com mais de 250 páginas coloridas e recheadas.

LK270802

LK270803

LK270804

LK270805

LK270806

Atualmente tentando levantar o custo desta primeira tiragem através do Crowdfunding no site Catarse, Cagno acredita que os fãs de quadrinhos e filmes de sessão da tarde irão se envolver e serem os verdadeiros responsáveis pela viabilização do projeto em formato de livro.

“O lançamento lá fora, nos EUA e Europa, previsto para Outubro, acontece apenas em formato digital através do site e aplicativo Comixology mas os brasileiros vão conferir esta aventura antes e em um livro de luxo, e tudo isso graças ao crowdfunding e os fãs que nos apoiarem” informa Cagno.

Para saber mais sobre o projeto “Lost Kids: Buscando Samarkand” e contribuir, acesse http://catarse.me/pt/LostKids ou confira a página oficial no Facebook no link https://www.facebook.com/lostkidscomic

Todos que contribuírem adquirindo um exemplar impresso recebem no mesmo dia uma cópia digital exclusiva da mini-série completa para lerem no computador, tablet ou smartphone; é a distribuição digital de quadrinhos acontecendo no Brasil através do crowdfunding.

Algumas curiosidades sobre a produção da Mini-Série “Lost Kids” que levou mais de dois anos para ficar pronta:

  • – O projeto “Lost Kids: Seeking Samarkand” teve seu início como um roteiro de um longa-metragem para o cinema. Foi somente após um produtor e um roteirista em Hollywood sugerirem o lançamento em outro formato que o projeto finalmente tomou forma como uma mini-série em quadrinhos.
  • – No ano de 2009, o roteiro cinematográfico foi finalista de várias importantes competições de roteiros nos EUA, sendo extensivamente desenvolvido durante aquele ano e no ano seguinte.
  • – Foi o DeviantArt, comunidade online que reúne artistas e designers, que deu asas ao projeto. Foi por ali que o roteirista/produtor Felipe Cagno pôde fazer amizades e parcerias que possibilitaram toda a criação do projeto, enquanto serviu também de plataforma de lançamento.
  • – O site DeviantArt já premiou o trabalho da equipe em seis ocasiões, escolhendo seis artes emblemáticas como as melhores do site através das Daily Deviations.
  • – A equipe criativa da Mini-Série é realmente global, além de Felipe, Wilton e Rafael, brasileiros, a equipe conta com dois ilustradores em Iowa nos Estados Unidos, três artistas no México, um em El Salvador, outro de Portugual, um dos coloristas é da Austrália, o outro escocês e completando o time um ilustrador nas Filipinas.
  • – A mini-série é inteira produzida através da internet, a equipe criativa nunca se conheceu pessoalmente, com exceção dos brasileiros que se conheceram através da Quanta Academia de Artes.