bool(false)

[BlizzCon] Duncan Jones e elenco falam sobre o filme de Warcraft

Longa estréia em junho de 2016

Guilherme Jacobs Publicado por Guilherme Jacobs
[BlizzCon] Duncan Jones e elenco falam sobre o filme de Warcraft

Duncan Jones entrou na coletiva de imprensa na BlizzCon para Warcraft: O Primeiro Encontro de Dois Mundos com um enorme semblante de alívio. O diretor havia acabado de apresentar o primeiro trailer do filme na cerimônia, mostrando, pela primeira vez para o público, o que esperar da adaptação do jogo para o cinema.

Jones está sob uma quantidade enorme de pressão. Warcraft custou muito aos bolsos da Universal e já foi adiado algumas vezes. Mas mostrar o trailer, ver os fãs da Blizzard gritando como meninas num show de One Direction, parece ter tido o mesmo efeito de uma água refrescante no cineasta, que fez piadas, estava sempre sorrindo e até zoou o moderador da coletiva por só ter entrado em Warcraft no segundo jogo, e não no primeiro como ele.

“Eu acho a Blizzard estava pronta e com o desejo de fazer um filme no universo de Warcraft por algum tempo agora. Quando eu entrei no projeto, três anos atrás, uma das coisas que nós conversamos foi que o projeto anterior do filme era meio ‘humanos são bons e todo o resto é ruim’, e minha ideia foi ‘olha, o que eu amo sobre Warcraft, o que eu amo sobre os jogos é que você tem a oportunidade de ser o herói independente da raça que você escolha ser,'” Jones explicou.

“No filme, isso foi muito importante para nós,” ele continuou. Vamos garantir que os Orcs, em particular o Durotan, o nosso herói Orc, tenham a chance de ter sua história contada com tanta empatia e cuidado e tempo quanto Lothar ou outros humanos.”

Pouco tempo depois do início da coletiva, Chris Metzen, vice-presidente sênior de franquias e história da Blizzard subiu ao palco para contribuir com o painel. “No fim do dia, é um risco,” ele disse comentando sobre o filme. “Por que você arriscaria um filme? O jogo tem sido muito amado por muito tempo, e nós da Blizzard ainda não entendemos 0 quão sagrado isso é, mas nós queríamos compartilhar essa história e esse mundo de Warcraft com o mundo todo.”

“Nós enfrentamos alguns problemas no desenvolvimento inicial, tentando encontrar o diretor certo e a história certa, o roteiro certo. Onde nós vamos enquadrar esse filme? A maioria das pessoas conhece Warcraft por WoW, ou seja, várias perspectivas raciais, então, ‘você vai fazer um filme sobre meu troll?'” – onde você coloca essa câmera?” Metzen explicou. Mas no fim, encontramos com Duncan depois de umas frustrações iniciais e ele sentou e disse ‘essa é minha ideia’ e ele explicou sua visão e nós ficamos ‘woooo’, foi quase como se ele estivesse tirando nossos pensamentos.”

“Esse homem, ele vive de Warcraft como vocês. Ele sabe dos detalhes, ele aprecia as nuances e é nisso que [Warcraft] vive e respira,” Metzen então falou, comentando sobre as qualidades de Duncan Jones.

Falando sobre suas experiências com a franquia, Daniel Wu, que vive Gul’dan, disse que conhecia um pouco de Warcraft porque a esposa sempre jogou. “Eu até tentei fazê-la parar por um tempo mas eu percebi que minha insistência iria causar problemas pro meu casamento,” ele brincou. O ator depois explicou que foi aconselhado a se manter preso ao roteiro e não pesquisar sobre o lore na internet, porque iria entrar num buraco negro sem volta.

Já Paula Patton, que fará Garona no longa, comentou sobre como se envolveu no projeto. “Eu recebi esse roteiro, e adorei. Parecia um romance, e eu acho que o jogo é complexo e profundo assim porque existe essa história e plano de fundo em cada personagem. E eu encontrei com Duncan e ele me mostrou as artes e me disse ‘eu vejo você como Garona’, e como atriz, ser desejada pra um papel é meio ‘sim! Agora!’,” ela brincou. “Eu me senti muito honrada porque ele me disse quem essa personagem era e o fato dela ser meio humana e meio orc foi tão fascinante pra mim, junto com o fato dela ter sido escrava pro Gul’dan e ter vivido uma vida de dor e luta e isolação, mas que lutou para ganhar respeito na cultura orc.”

“E então ela se encontra como peixe fora d’água nesse mundo enorme, como ela lida com isso? Como isso afeta sua vida? E eu pensei ‘essa é uma personagem muito desafiante para se interpretar,’ eu estava com medo pra ser honesta, porque onde você vai para pesquisar?” Patton adicionou, falando cobre Garona. Você não tem uma meia humana, meio orc. Mas eu acho que tudo que te dá medo é algo que você deve fazer.”

“Eu aprendi a andar de cavalo, lutar com espadas,” continuou a atriz. “Mas mais do que isso, mais do que a ação, o que eu acho que foi incrível sobre esse filme é a profundidade de emoção que todos tivemos que interpretar, e que o filme é entretenimento e vai te impressionar, mas [Warcraft] é muito semelhante ao nosso mundo. A ideia do que é bem e o que é mal. Você tem duas pessoas de dois mundos diferentes, que querem, igualmente, o bem para sua família, as pessoas do seu país, e estão dispostas a fazer tudo para conseguir isso.”

“Garona, a personagem de Paula, realmente está no coração de tudo, no coração da nossa história,” Duncan então adicionou. “Nós temos esse embate de heróis que não querem, necessariamente, lutar, mas não parece haver como escapar disso. Garota é os olhos nesse conflito, nossa maneira de ver quem os orcs são e depois quem os humanos são.”

IMG_9820

O diretor então comentou sobre os temas do filme, e como os jogos o ajudaram a entender isso. “Uma das coisas que ajudou, em termos do meu envolvimento com games e com Warcraft, é a natureza de jogos online, especialmente jogos nos quais você tem grupos de pessoas que se juntam e jogam regularmente. Antes Warcraft, antes de WoW ser alguma coisa, havia um jogo chamado Ultima Online – Chris e eu já conversamos sobre isso no passado – e eu costumava comandar uma guilda nele.”

“Nós basicamente emigramos em massa quando WoW surgiu. Todos do Ultima Online foram para World of Warcraft. E eu tinha amigos na minha guilda que eram do Texas, da Escócia, da Alemanha, do mundo todo. E nós nos sentimos como uma família,” confessou Jones. “Você tinha esse sentimento de lealdade. Eu vou estar aqui, vou estar aqui quando fizermos essa raid. Eu vou estar lá e vou jogar na hora de sempre, e há esse aspecto de família, esse sentimento de lealdade.

E entrando no filme, o sentimento de lealdade, e com quem você se importa, quem você protege – isso está no coração do filme, e eu acho que isso aconteceu porque isso está no coração do jogo,” concluiu o diretor.

Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos estréia em 9 de junho de 2016.

Mais notícias