Stadia ainda é caro, incompleto e pouco atrativo, indicam primeiras análises

Serviço de jogos por streaming do Google acaba de ser lançado nos EUA e na Europa

Jefferson Sato Publicado por Jefferson Sato
Stadia ainda é caro, incompleto e pouco atrativo, indicam primeiras análises

Nesta terça-feira (19) foi oficialmente lançado o Stadia, o serviço de streaming de jogos da Google. Por enquanto, ele está disponível apenas nos EUA e na Europa, e as primeiras análises dos principais veículos especializados destas regiões indicam que ainda há um longo caminho até que a plataforma se torne tudo aquilo o que vinha prometendo.

A maior parte das análises elogia a qualidade gráfica e a facilidade de acesso, mas elementos como o alto preço, latência na jogabilidade, falta de funções e outros problemas fazem do Stadia uma opção ainda incompleta e pouco atrativa para o consumidor médio.

O editor do Kotaku, Jason Schreier, comentou nas redes que, segundo uma fonte, o lançamento está sendo um fracasso, com um número de pré-venda bem abaixo do esperado. Ele atribuiu isso principalmente ao fato da plataforma cobrar preço integral por cada jogo, em vez de cobrar uma assinatura pelo catálogo:

“O Google Stadia foi lançado jogo e já parece que foi um fracasso monumental. (Ouvi de uma pessoa envolvida que o número de pré-venda foi abaixo do esperado.) A questão é: eles vão eventualmente parar de vender jogos e mudar para um modelo de assinatura de catálogo? Ou vão simplesmente deixar morrer?”

O próprio Kotaku publicou uma análise, dizendo que o Stadia ainda é muito novo e não há muito motivo para migrar para ele:

“No momento, o Stadia parece tão substancial quanto uma atualização de telefone. Claro, tem uma câmera melhor e algumas funções novas, mas depois que você transfere suas coisas, é a mesma coisa. […] Não há nenhum motivo real para comprar o serviço no lugar de consoles ou de um PC, no momento. Isso é algo com o qual o Google precisa lidar se quiserem que essa coisa seja atrativa, especialmente com uma nova geração de consoles chegando.”

O Digital Foundry diz ficar impressionado com a qualidade de imagem, em comparação com outras plataformas de streaming. No entanto, latência é perceptível na hora de jogar. A falta de recursos e conteúdo também sugere que o lançamento foi mais cedo do que deveria:

“Combinado com o sentimento de que a plataforma e o ecossistema ainda está longe de ficar completo, eu sinto que é muito cedo para o Stadia ser lançado como um serviço, especialmente quando os jogos são limitados e os importantes jogos exclusivos são poucos.”

O Techradar comentou sobre o uso da conexão, algo que é importante para países como o Brasil:

“Se você paga por uma internet de 100Mbps, o Google Stadia funcionará de forma excelente e é o serviço de jogos por streaming que sempre quisemos. No entanto, se você tiver uma conexão mais lenta ou um limite de plano de dados, o Stadia vai funcionar, mas não é exatamente a experiência de ‘latência negativa’ que a Google prometeu, além de gastar os dados bem rápido.”

O VentureBeat argumenta que a Google parece não saber o que está fazendo, nem entender seu suposto público alvo:

“No momento, o Google Stadia é uma plataforma para ninguém. A empresa simplesmente não parece entender o público que está tentando atingir… Então o Google Stadia pode funcionar, mas isso não importa de verdade.”

O site The Verge criticou principalmente o sistema de monetização e a falta de conteúdo da plataforma:

“Não há motivo nenhum para que alguém compre o Stadia agora. A Google garantiu isso, em partes por entregar pouco no lançamento e parte pelo modelo de cobrança que faz você pagar três vezes (pelo aparelho, pelo serviço e pelos jogos), só para ser um dos primeiros.”

O GameSpot elogiou a tecnologia e as possibilidades da plataforma, mas quando comparado ao serviço oferecido pela Microsoft e pela Sony, o Stadia parece ter menos valor:

“Por enquanto, jogos na nuvem ainda parecem uma alternativa decente, mas não acho que estou pronto para me dedicar a comprar jogos pelo valor total em uma plataforma secundária.”

Por fim, a PC Gamer reclamou da falta de recursos e funções normais em jogos de PC, como configuração gráfica, opção de usar mods, compartilhamento de imagens e mais, afirmando que a Google “queria apenas lançar o Stadia e se preocupar com estas coisas mais tarde”:

“A Google provou que a tecnologia do Stadia pode mesmo funcionar, mas também provou que sem muitos de seus recursos, ele raramente será a melhor forma de jogar qualquer um dos títulos no serviço.”

O Stadia está disponível nos EUA e na Europa. Ainda não há uma data de lançamento prevista para o Brasil.