O live-action de Dragon Ball mais fiel à franquia não é oficial

Com certeza é melhor que Dragonball Evolution

Marina Val Publicado por Marina Val
O live-action de Dragon Ball mais fiel à franquia não é oficial

Dragonball Evolution é um filme live-action de 2009 que tentou adaptar a franquia Dragon Ball para os cinemas, mas que falhou em todos os sentidos possíveis. Foi um fracasso de bilheteria, de crítica e simplesmente não conseguiu captar nada do que faz a obra original ser tão memorável.

Dragon Ball: The Magic Begins (新七龍珠 神龍的傳說, Xīn qī lóng zhū Shén lóng de chuán shuō, no original) é um filme de baixíssimo orçamento lançado em 1991, quase duas décadas antes, mas que pelo menos mantém a essência do anime, mesmo que não seja oficial.

Apesar de alguns trechos serem adaptados quase cena a cena do longa Dragon Ball: A Lenda de Shenlong (1986), o live-action muda alguns detalhes — seja por restrições orçamentárias ou por questões de direitos autorais. As Esferas do Dragão viram Pérolas do Dragão e todos os personagens mudam de nome.

Goku vira Monkey Boy, Bulma vira Seetou e o Mestre Kame fica conhecido apenas como Turtle Man. Outros personagens também dão as cara como Oolong (Piggy), Yamcha (La Ping) e até o Pual, este último na forma de uma calopsita.

Goku, Yamcha, Mestre Kame, Oolong, Jen Jen e Bulma, no live-action de 1991
Goku, Yamcha, Mestre Kame, Oolong, Jen Jen e Bulma, no live-action Dragon Ball: The Magic Begins

O grande vilão aqui é o King Horn, que é uma mistura de King Gurumes de Dragon Ball: A Lenda de Shenlong e o Pilaf do anime. Outra personagem que parece uma mistura é a Jen Jen, que tem um arco similar à Pansy do filme animado, mas com algumas características da Chi-Chi e da Pocawatha do anime, como o fato de ela estar sendo perseguida pelo Oolong.

Fiel até demais

Essa questão do Oolong pervertido mostra que o live-action, infelizmente, quis ser fiel demais a algumas cenas que já não eram muito legais na época e que envelheceram muito mal. Jen Jen, assim como Pocawatha, é uma criança e é bastante errado que um homem adulto (ou um porco) se sinta atraído pela menina e queira levá-la contra a vontade dela.

Além disso, também há um outro trecho no qual o Mestre Kame diz que só entregaria a Esfera do Dragão se Bulma se despisse e mostrasse os seios. O desfecho do live-action é similar ao do anime, com Oolong/Piggy se transformando na jovem e enganando o velho pervertido, mas ainda é um fan service desnecessário e desconfortável de ver.

Turtle Man e Seetou momentos antes da cena constrangedora
Turtle Man e Seetou momentos antes da cena constrangedora em Dragon Ball: The Magic Begins

E vale a pena?

Dragon Ball: The Magic Begins traz algumas soluções bem criativas para alguns problemas ocasionados pelo orçamento limitado e acaba sendo até divertido de assistir. Claro, se você conseguir dar risada de alguns momentos que são pura tosqueira.

Além disso, algumas das mudanças adotadas tornam esse longa único, como o fato de ser a única versão na qual o avô do Goku de fato sobrevive, apesar de não participar ativamente da aventura ao lado dos protagonistas.

Assim como a adaptação soviética de O Senhor dos Anéis, ninguém vai assistir a esse filme esperando um primor de qualidade técnica ou atuações dignas do Oscar. É apenas um capítulo curioso na história do cinema.

O longa chegou a ser lançado em VHS nos Estados Unidos, mas atualmente é uma obra praticamente impossível de licenciar para lançar oficialmente em qualquer país. Por conta disso, alguns fãs trataram de legendar e disponibilizar no YouTube. A localização em português feita por fãs adaptou os nomes dos personagens para os que conhecemos.

Ele não é o único

Por mais que possa ser surpreendente que exista uma versão live-action de Dragon Ball feita há três décadas, a adaptação taiwanesa não está sozinha. Deuraegon bol: Ssawora Son O-gong, igyeora Son O-gong (드래곤볼 싸워라 손오공 이겨라 손오공) é um longa que foi lançado um ano antes, em 1990, na Coreia!

Adaptação coreana de Dragon Ball
Goku e Chi Chi em Deuraegon bol: Ssawora Son O-gong, igyeora Son O-gong

O visual dos personagens é bem mais próximo do anime, com o Oolong ainda sendo um Porco e Pual uma espécie de felino, interpretado por um bichinho de pelúcia. Até mesmo o cabelo de Goku está mais próximo do original.

O vilão aqui é Pilaf, mas ele conta com Nappa como um de seus capangas. O personagem careca, que só começaria a causar problemas na saga dos Saiyajins, aparece antes e com cabelos!

Esse longa não foi tão difundido quanto Dragon Ball: The Magic Begins e nunca chegou a ser lançado fora da Coreia. Ele até foi disponibilizado inteiro no YouTube por alguns fãs, mas sem legendas até o momento.

Mesmo sem muito contexto por conta do idioma, depois de ver a versão coreana e a taiwanesa ainda é possível afirmar com certeza: pelo menos é melhor que Dragonball Evolution.

Mais notícias