David Ayer publica texto em defesa da versão do diretor de Esquadrão Suicida

"Eu coloquei a minha vida em Esquadrão Suicida, eu fiz algo incrível", escreveu

Fernanda Talarico Publicado por Fernanda Talarico
David Ayer publica texto em defesa da versão do diretor de Esquadrão Suicida

David Ayer, diretor de Esquadrão Suicida (2016) fala há bastante tempo sobre a possibilidade de lançar uma versão de diretor do filme, chamada de Ayer’s Cut, em homenagem ao Snyder Cut de Liga da Justiça que chegou em 2021. Com lançamento de O Esquadrão Suicida, dirigido por James Gunn, Ayer voltou a falar no assunto e, desta vez, escreveu um textão em suas redes.

O que parece ter sido o estopim para o cineasta foi uma conversa entre um usuário do Twitter e o crítico de cinema Tim Grierson, que amou a nova versão do longa e aproveitou para alfinetar Ayer. “Em muitos momentos enquanto eu assistia ao filme, pensei: ‘É, David Ayer deve abandonar a ideia de fazer uma versão do diretor'”, escreveu.

Então, o cineasta publicou um texto explicando o porquê não desistirá e porque faz sentido existir uma versão do diretor de Esquadrão Suicida, o tão falado Ayer’s Cut.

[ATENÇÃO: ASSUNTOS SENSÍVEIS SÃO TRATADOS ABAIXO]

David Ayer começou a sua explicação dizendo “minha vez”, e contou, em três páginas, a sua história. Ele começa relatando sobre a sua infância triste, quando o seu pai tirou a própria vida quando diretor tinha apenas 4 anos. Depois, ele viveu em meio a abusos e violência.

Ayer conta ter passado em diversos orfanatos e escolas ao decorrer de sua vida e, quando chegou à idade adulta, largou o colegial e vivenciou momentos ainda piores. “Precisou alguém morrer nos meus braços, coberto em seu sangue e vômito, para que eu acordasse”, contou.

Então, David Ayer entrou para a Marinha dos Estados Unidos, onde ele diz ter aprendido disciplina. No entanto, ele passou por momentos também traumáticos durante o período em que serviu.

Quando saiu da Marinha, ele começou a escrever roteiros, até que criou Dia de Treinamento (2001), o que mudou a sua vida até chegar Esquadrão Suicida.

“Eu coloquei a minha vida em Esquadrão Suicida, eu fiz algo incrível – minha versão é uma jornada complexa e emocionante com alguns ‘caras maus’ que são uns m****s e descartáveis (um tema que ressoa em minha alma)”, escreveu ao defender novamente que o seu corte seja exibido. “A versão do estúdio não é o meu filme. Leia isso de novo.”

Ayer continuou e disse que sua versão é completa. “Ela tem os arcos tradicionais dos personagens, atuações incríveis e uma resolução sólida do terceiro ato”, concluiu ao pontuar que pouquíssimas pessoas assistiram ao seu filme.

Assim, ele diz que explicou toda a sua história para exemplificar porque ele não desistirá agora – afinal, ele nunca desistiu antes.

Por fim, David Ayer se diz orgulhoso e empolgado por O Esquadrão Suicida, de James Gunn, que respondeu à publicação dizendo: “todo o meu amor e admiração, amigo”.

Depois da confirmação do lançamento do Snyder Cut de Liga da Justiça (confira), rumores de uma possível nova versão de Esquadrão Suicida começaram a surgir, com o apoio dos fãs — veja aqui.

O Esquadrão Suicida de James Gunn chegará aos cinemas em 5 de agosto.

div-ad-vpaid-1
div-ad-sidebar-1
div-ad-sidebar-halfpage-1