Relembre o passado da franquia He-Man e os Mestres do Universo

Relembre como uma coleção de brinquedos se tornou um dos maiores fenômenos da cultura pop

Gabriel Avila Publicado por Gabriel Avila
Relembre o passado da franquia He-Man e os Mestres do Universo

A Netflix se prepara para receber o retorno de um clássico. Mestres do Universo: Salvando Eternia chega à plataforma nesta sexta-feira (23) com a missão de dar sequência a um dos mais celebrados desenhos animados da década de 1980.

Mais do que isso, a animação de Kevin Smith tem a tarefa de trazer de volta He-Man e uma das mais queridas franquias que começou em uma linha de brinquedos e se expandiu até garantir um capítulo próprio na história da cultura pop.

Para relembrar como um punhado de bonecos se tornou um verdadeiro fenômeno, abaixo você uma linha do tempo completa de He-Man e os Mestres do Universo, desde suas raízes nos anos 1980 até seus próximos lançamentos:

1981 – Linha clássica dos bonecos Masters of the Universe

Capa do livro The Toys of He-Man and the Masters of the Universe (Dark Horse Books)
Os bonecos da linha original de Masters of the Universe

O pontapé inicial para He-Man tomar de assalto a cultura pop foi Masters of the Universe, linha de brinquedos da Mattel. Lançados em 1981, os primeiros bonecos da franquia foram o protagonista, sua montaria Gato Guerreiro e seu aliado Mentor. Já do lado dos vilões, saíram Esqueleto e seu ajudante Homem-Fera.

Primeira leva de uma das mais bem-sucedidas linhas de brinquedos da década de 1980, os bonecos eram acompanhados por quadrinhos em miniatura (apropriadamente chamados de minicomics). As quatro histórias escritas por Donald F. Glut com ilustração de Alfredo Alcala apresentaram o mundo de Eternia e o dilema da espada do poder.

A linha original de Masters of the Universe durou até 1988, contabilizando mais de 70 figuras entre heróis, vilões, criaturas, veículos, cenários e acessórios. Os brinquedos foram sucesso no mundo todo, especialmente após a explosão da série animada na televisão.

1982 – He-Man chega à DC

Capa da HQ DC Comics Presents #47 (Divulgação/DC Comics)
Superman encontra He-Man e o Esqueleto

Antes de fazer sua estreia na TV, He-Man e os Mestres do Universo chegaram ao Universo DC. A editora ficou responsável pela produção dos minicomics a partir da segunda leva de lançamento dos bonecos da Mattel. Os quadrinhos acompanharam os colecionáveis de Multifaces, Aríete, Maligna, Faker, Mandíbula e Triclops.

Além dos minicomics, a DC também publicou quadrinhos independentes do He-Man. O primeiro encontro entre Eternia e o multiverso da editora aconteceu em DC Comics Presents #47, cuja capa mostra He-Man lutando contra Superman com Esqueleto ao fundo. Este foi o início de algumas aparições dos Mestres do Universo em diversos títulos da DC, o que culminou em uma minissérie em três partes publicada em 1982.

1983 – He-Man e os Defensores do Universo

Em 1983 a linha Masters of the Universe já era um sucesso, mas a franquia se tornou uma verdadeira febre com o lançamento do desenho animado He-Man e os Defensores do Universo. Produzida pela Filmation, a animação acompanhava a luta do príncipe Adam para proteger Eternia das forças do mal lideradas pelo vilão Esqueleto.

Conhecido no Brasil simplesmente como He-Man, o desenho se tornou um verdadeiro clássico. Ao longo de 130 episódios, a produção apresentou todo o elenco de aliados e inimigos do herói, como Feiticeira, Teela, Gorpo, Stratos, Aquático, Kobra Khan e muitos outros.

A produção é lembrada também como celeiro de talentos, tendo como roteiristas Paul Dini (Batman: A Série Animada), J. Michael Straczynski (Babylon 5) e David Wise (As Tartarugas Ninja).

1983 – He-Man estreia nos games

Capas dos games Masters of the Universe: The Power of He-Man, Masters of the Universe: Super Adventure e Masters of the Universe: The Arcade Game
Os primeiros games de He-Man e os Mestres do Universo

Meses após fazer sua estreia na TV, He-Man chegou também aos games. Masters of the Universe: The Power of He-Man foi um jogo de tiro com visão horizontal lançado pela Mattel para os consoles Intellivision e Atari 2600.

Pouco expressivo, o lançamento deu início à tortuosa jornada dos Mestres do Universo nos videogames. O jogo foi seguido por Masters of the Universe: Super Adventure (1986) uma aventura em texto para BBC Micro, Commodore 64 e ZX Spectrum. Os fãs só puderam explorar Eternia em 1987 com o lançamento do arcade Masters of the Universe: The Arcade Game, que chegou também para o Amstrad CPC.

1984 – Bonecos da Princesa do Poder

Linha de bonecos Princess of Power (Divulgação/Mattel)
Linha de bonecos Princess of Power

Em 1984, a Mattel e a Filmation decidiram expandir a linha de brinquedos do He-Man, dando origem ao derivado Princess of Power (Princesa do Poder, em tradução livre). Mirando na popularidade dos Mestres do Universo entre o público feminino, a empresa criou She-Ra, guerreira que protagonizou a linha e, posteriormente, uma série animada solo.

A chegada de Princess of Power foi uma tentativa da Mattel de unir suas principais franquias: Mestres do Universo e Barbie. Curiosamente, a linha consistiu apenas das bonecas, já que os personagens masculinos — especialmente os vilões — foram lançados na coleção Masters of the Universe.

1985 – He-Man & She-Ra – O Segredo da Espada Mágica

Cartaz de He-Man and She-Ra in the Secret of the Sword
O Segredo da Espada Mágica, filme animado que apresentou a She-Ra

Em 1985 foi transmitido nas TVs americanas um especial em cinco partes chamado The Secret of the Sword, que pouco tempo depois foram unidos em um filme. Exibido nos cinemas dos EUA, o longa chegou ao Brasil com o nome de He-Man & She-Ra – O Segredo da Espada Mágica e marca a estreia da clássica heroína de Etheria nas animações.

A história apresenta Adora, uma capitã das forças da Horda, o maligno exército que comanda uma ditadura no planeta de Etheria. Após o surgimento do herói He-Man, a jovem descobre que é na verdade irmã gêmea do Príncipe Adam que foi sequestrada pelo vilão Hordak ainda na infância. Ao portar uma outra espada do poder e gritar “Pela honra de Grayskull”, ela se transforma na heroína She-Ra.

O longa foi um sucesso de audiência na TV, fez bonito nas bilheterias e deu início à série animada focada em She-Ra, lançada no mesmo ano.

1985 – She-Ra: A Princesa do Poder

Com o sucesso da linha Princess of Power e do filme O Segredo da Espada Mágica, a She-Ra ganhou um desenho para chamar de seu. Lançado poucos meses após o longa, o desenho da Filmation durou 93 episódios entre 1985 e 1986.

Após cinco episódios iniciais que são basicamente O Segredo da Espada Mágica, a série leva a heroína She-Ra para aventuras próprias ao lado dos aliados Cintilante, Madame Riso, Vassourito, Arqueiro e Corujito. As aventuras giravam em torno de proteger Etheria dos vilões Hordak e seus aliados Sombria, Scorpia, Felina, Sanguessuga e mais.

1985 – Especial de Natal

He-Man e She-Ra no especial de Natal (Divulgação/Funimation)
He-Man e She-Ra no especial de Natal

O ano de 1985 foi bastante agitado para os habitantes de Etérnia e Etheria. Em dezembro, a Filmation lançou um especial de natal que reuniu He-Man e She-Ra.

Na história, Gorpo apronta mais uma de suas trapalhadas e acaba transportado para a Terra na véspera do Natal. Em nosso planeta, ele conhece Miguel e Alisha, irmãos que explicam o conceito da festividade ao mago, que por sua vez é levado de volta para seu planeta trazendo as crianças junto. Para que as crianças não fiquem tristes por perder o Natal, a rainha Marlena decide usar o aniversário do Príncipe Adam e da Princesa Adora para recriar a magia do feriado, o que enfurece os vilões Esqueleto, Hordak e o maligno Mestre da Horda.

1986 – Mestres do Universo na Marvel

Capas das HQs de Masters of the Universe na Marvel, Image e Dark Horse (Divulgação)
Masters of the Universe em HQs da Marvel, Image e Dark Horse

Em 1986, He-Man trocou de editora nos Estados Unidos e foi parar na Marvel. Publicada pelo selo Star, a HQ Masters of the Universe durou 13 edições e incorporou personagens e enredos recentes na franquia. O principal exemplo é a participação recorrente de Hordak, o grande vilão de She-Ra.

Essa não foi a última vez que os Mestres do Universo mudaram de casa no mundo dos quadrinhos. Em 2002, as editoras Image e MVCreations passaram a publicar HQs que expandiam o universo da série animada lançada no mesmo ano, além de minisséries originais e até um título focado na origem de vilões como Homem-Fera, Aquático e Mandíbula.

He-Man voltaria a trocar de editora em 2011, quando chegou à Dark Horse Comics. A editora ficou responsável pela publicação de os quadrinhos que acompanharam o relançamento da linha de brinquedos Masters of The Universe. Com histórias que deram continuidade aos minicomics originais, essa fase chegou ao fim quando a franquia mudou para a DC Comics, onde permanece até os dias de hoje.

1986 – He-Man ganha HQ no Brasil com histórias inéditas

Capas das HQs do He-Man no Brasil (Divulgação/Abril)
Algumas das HQs do He-Man no Brasil

Em janeiro de 1986, a editora Abril iniciou a publicação da HQ He-Man. O título começou como uma republicação de quadrinhos internacionais da franquia, como o francês Maîtres de L’univers Spécial e Masters of the Universe da Marvel.

Porém, após algumas edições o título passou a contar histórias originais produzidas por quadrinistas brasileiros. Com envolvimento de grandes nomes das HQs nacionais, como Rodolfo Zalla, Watson Portela, Luiz Aguiar e Roberto Kussumoto, as aventuras originais mantiveram o título em publicação por um longo período. A revista chegou ao fim em 1988.

1987 – O infame live-action Mestres do Universo

Em 1987, Mestres do Universo estava em uma posição contraditória. Após a explosão das diversas linhas de brinquedos, desenhos animados, quadrinhos e games, a franquia começou a decair em número de vendas e popularidade. Justamente neste período, a Cannon Films decidiu apostar na força que os personagens demonstraram outrora e produziu um filme live-action.

Protagonizado por Dolph Lundgren, que já havia chamado atenção como o vilão de Rocky IV, o filme acompanha He-Man em uma aventura pela Terra. Forçado a deixar seu lar em Eternia após um ataque do exército do Esqueleto, ele, Mentor, Teela e o personagem inédito Gwildor, precisam achar um jeito de retornar antes que o vilão domine o planeta.

Baseado apenas na linha de brinquedos de Masters of the Universe, o filme desapontou os fãs por contar uma história muito diferente dos desenhos animados. O fato de a trama se passar mais na Terra somada a apresentação de personagens inéditos que não tinham o mesmo carisma dos originais, fez com que o público não se empolgasse tanto com o lançamento.

Com um orçamento de aproximadamente US$ 22 milhões, o filme lucrou menos de US$ 18 milhões nos EUA. Com o fracasso nas bilheterias, a venda dos bonecos continuou caindo até a linha ser descontinuada pela Mattel no ano seguinte. O grande legado da produção foi o game Masters of the Universe: The Movie e, curiosamente, o lançamento do de Cyborg – O Dragão do Futuro, filme estrelado por Jean Claude Van Damme cujo roteiro é baseado em um rascunho para uma sequência de Mestres do Universo que nunca aconteceu.

1989 – O retorno aos brinquedos e um novo desenho

Dois anos após encerrar Masters of the Universe, a Mattel lançou uma nova coleção de bonecos. Intitulada simplesmente He-Man, a nova linha promoveu um reboot quase completo na franquia. Para começar, todo o elenco foi reformulado e apenas o protagonista e o vilão Esqueleto retornaram. A dupla ainda ganhou visuais completamente diferentes, mais ligados ao que estava na moda na época.

O lançamento dos novos brinquedos foi acompanhado de As Novas Aventuras de He-Man, desenho animado de 1990 produzido pela Jetlag Productions em parceria com a Mattel. Confirmando o ar de reboot dos bonecos, a série apresentou uma nova história em que He-Man lidera os Guardiões Galácticos para impedir que os malignos Mutantes chefiados pelo Esqueleto dominem a galáxia.

Com uma roupagem muito mais ligada à ficção científica, tanto o desenho quanto a linha de brinquedos, tiveram recepção morna por parte do público. Com isso, ambas tiveram vida curta: As Novas Aventuras de He-Man chegou ao fim após 65 episódios e He-Man foi encerrada em três anos.

2002 – O retorno dos clássicos

Bonecos do He-Man nas coleções 200X e Classics
Bonecos do He-Man nas coleções 200X e Classics

Após quase uma década sem novos lançamentos, os Mestres do Universo voltaram com tudo em 2002. Neste ano, a Mattel lançou uma nova linha de brinquedos chamada 200X Masters of the Universe. Esculpidos pelo renomado estúdio Four Horsemen, os colecionáveis foram uma atualização dos bonecos clássicos dos anos 1980. Os bonecos traziam novos detalhes e caíram no gosto do público, mas só não alcançou grande sucesso porque a Mattel encontrou problemas na distribuição dos brinquedos e encerrou a linha dois anos depois.

Ainda assim, os brinquedos abriram caminho para o retorno dos bonecos clássicos. Em 2008, a empresa lançou uma nova coleção chamada Masters of the Universe Classics, que também atualizava os action figures dos anos 1980 em uma escala maior e com alto nível de fidelidade. Com o objetivo de se tornar a “linha definitiva”, os colecionáveis trouxeram a franquia de volta em grande estilo em uma coleção que ultrapassou a original e lançou mais de 150 colecionáveis ao longo de sete anos. Uma nova coleção retrô foi lançada em 2020.

2002 – Nova animação de He-Man e os Mestres do Universo

E não foi só na parte dos brinquedos que a franquia fez seu retorno. Nos anos 2000, a Mike Young Productions contratou Michael Halperin, criador do desenho animado original dos anos 1980, para uma nova versão da animação. Em 2002 chegou ao Cartoon Network He-Man e os Mestres do Universo.

Voltando às origens da franquia, o desenho retornou a Eternia e reapresentou a mitologia clássica de He-Man ao lado dos Mestres do Universo contra as forças do mal lideradas por Esqueleto. O novo desenho não fez feio, especialmente por homenagear e expandir elementos do original. Porém, pela falta de interesse do público, a animação chegou ao fim após 39 episódios.

2002 – De volta aos games

He-Man: Power of Greyskull e Defender of Greyskull, os jogos de He-Man nos anos 2000
Os jogos de He-Man nos anos 2000

Após ganhar novos brinquedos, desenhos animados e quadrinhos, os Mestres do Universo voltaram também aos games. Em 2002, a franquia chegou ao Game Boy Advance no jogo He-Man: Power of Grayskull. O game teve reviews médias, que elogiaram a ambientação e a trilha sonora, mas criticaram as mecânicas e a falta de desafios.

Apesar de não ter sido um sucesso, o game inaugurou uma nova fase da franquia no mundo dos jogos. Em 2005 foi a vez de He-Man: Defender of Grayskull, aventura single-player lançada para PS2. O jogo novamente atraiu reviews mistas, mas pela primeira vez apresentou Eternia em três dimensões em um gráfico satisfatório para a época. A falta de interesse no título criou uma nova pausa, que só foi encerrada quase uma década depois nos mobiles.

2012 – He-Man retorna ao Universo DC

Capas de HQs do He-Man na DC (Divulgação/DC)
As aventuras de He-Man na DC

Em 2012, após passar por praticamente todas as grandes editoras dos EUA, He-Man e os Mestres do Universo voltaram à DC Comics. O universo foi trazido de volta em grande estilo, com quadrinhos escritos por grandes autores como Geoff Johns (Flashpoint), James Robinson (Feiticeira Escarlate) e Keith Giffen (Liga da Justiça Internacional).

Porém, os pontos altos dessa nova estadia na DC são, sem dúvidas, os crossovers. A editora promoveu encontros entre os heróis de Eternia com o próprio Universo DC, com Injustice e até com os ThunderCats, em uma aventura aguardada pelos fãs desde a década de 1980.

He-Man segue na DC até os dias de hoje, tendo estrelado recentemente a minissérie He-Man and the Masters of the Multiverse.

2012 – He-Man chega aos mobiles

Os games mobile de He-Man (Divulgação/Mattel)
Os games mobile de He-Man

Se a volta de He-Man aos games nos anos 2000 não deu muito certo, a franquia ganhou uma nova chance nos mobiles. Em 2012 o estúdio Glitchsoft produziu He-Man: The Most Powerful Game in the Universe, um beat ‘em up que coloca o He-Man correndo contra o tempo para impedir que o Esqueleto invada o Castelo de Greyskull. Com um estilo cartoon e a participação de outros personagens, o game para iOs e Android foi um sucesso de público apesar das reviews mistas.

Quatro anos depois, foi a vez da Animoca lançar He-Man: Tappers of Grayskull. Resultado da parceria entre o estúdio e a Mattel, o game é um RPG gratuito que coloca o jogador na pele do He-Man combatendo as forças do Esqueleto com a ajuda de seus aliados. Recentemente, Tappers of Greyskull recebeu uma atualização e agora conta também com uma campanha especial da She-Ra.

2018 – O reboot de She-Ra na Netflix

Mais de quinze anos após o reboot de He-Man chegar ao fim, a franquia ganhou uma nova série animada. Produzida pela DreamWorks, She-Ra e as Princesas do Poder chegou à Netflix em 2018 arrancando elogios do público e da crítica.

Criada pela premiada quadrinista Noelle Stevenson (Lumberjanes, Os Fugitivos), a animação atingiu o ponto certo entre a referência ao original e a atualização para novos tempos. Com um início focado em apresentar e desenvolver os personagens e seus dramas, a nova She-Ra chamou atenção também por seu visual caprichado e grande presença de diversidade.

Aclamada, a produção chegou ao fim após 52 episódios elogiados por atualizar um clássico dos anos 1980 com as sensibilidades dos desenhos animados dos anos 2010, que passaram a focar em histórias que agradassem tanto as crianças, quanto os adultos.

2021 – Mestres do Universo: Salvando Eternia

Após o sucesso de She-Ra e As Princesas do Poder, a Netflix voltou a unir forças com a Mattel em uma animação de He-Man. Para comandar a nova produção, o streaming contatou Kevin Smith, cineasta e nerdão profissional de Hollywood, que idealizou uma continuação para a animação clássica dos anos 1980.

O resultado é Mestres do Universo: Salvando Eternia, série animada que chega ao streaming nesta sexta-feira (22). Combinando o espírito épico da animação clássica com um enredo mais maduro, a nova animação promete dar nova vida à franquia. O elenco de vozes inclui grandes estrelas como Mark Hamill (Star Wars), Sarah Michelle Gellar (Buffy: A Caça-Vampiros), Lena Headey e Liam Cunningham (Game of Thrones).

Sem data – Reboot em CGI

Cartaz de He-Man and the Masters of the Universe
Cartaz da animação CGI de He-Man

Os guerreiros de Eternia terão vida longa na Netflix. Pouco após o anúncio de Salvando Eternia, o streaming revelou estar trabalhando também em um reboot em CGI. Intitulada He-Man & The Masters Of The Universe, a série promete mostrar a “clássica batalha entre He-Man e o maligno Esqueleto”.

Não foram revelados maiores detalhes sobre a produção, mas espera-se que seja um reboot para atrair um novo público e que faça sentido com os fãs da produção original.

Sem data – Novo filme live-action

Cena do desenho clássico de He-Man (Divulgação/Filmation)
Cena do desenho clássico de He-Man

Atualmente há um filme live-action de He-Man em produção pela Sony. O estúdio adquiriu os direitos em 2009 e desde então tenta tirar o projeto do papel. Até o momento, sabe-se apenas que o roteiro será escrito por Art Marcum e Matt Holloway (Homem de Ferro), enquanto Aaron e Adam Nee (Band of Robbers) ficam responsáveis pela direção.

A Sony havia anunciado Noah Centineo (Para Todos os Garotos que Já Amei) como Príncipe Adam/He-Man, mas o astro deixou o projeto. Com previsão original para estrear em 2021, o longa foi adiado indefinidamente.

Mais notícias