Black Lagoon é tiro, porrada e bomba em um anime com estilão de anos 90

A série de ação adulta surpreende e conquista com ótimas cenas e personagens carismáticos

Pedro Duarte Publicado por Pedro Duarte
Black Lagoon é tiro, porrada e bomba em um anime com estilão de anos 90

Black Lagoon é um anime de ação, com tiro para todo lado, personagens praticamente imortais, que parecem conseguir desviar de balas, e tudo o que o “gênero porradaria” pede.

A trama gira em torno da Companhia Lagoon, um grupo de mercenários que “faz entregas” de qualquer coisa, desde que seja pago por isso. O chefe da equipe é Dutch, um sujeito que adora citações filosóficas, é o capitão do barco e adora um bom whisky. Benny (“Benny Boy”) é o cara que resolve a parte da tecnologia do torpedeiro, mais quieto e que curte mais o mundo dos computadores do que outros tipos de ação. E Revy, minha personagem favorita, que é assombrada pelo passado, tem cabeça quente e atira (muito) bem: por isso é também apelidada de Duas Mãos.

E então chega Rokuro Okajima, o narrador da história que vive de maneira comum, abaixando a cabeça para um chefe abusivo e preso a rotina. Por acaso, ele é envolvido em uma operação que misturou a sua “empresa normal” e a Companhia Lagoon. No fim das contas, ele se dá um novo nome, Rock, e passa a fazer parte do grupo de mercenários.

O anime prioriza a ação, mas isso não quer dizer que subestime a inteligência da audiência. Episódios narram os fatos em ordens diferentes, é preciso ligar os pontos algumas vezes e, claro, esconde boas surpresas.

Black Lagoon se transforma quando você entende que eles não são heróis. Seguem uma moral, mas é um código próprio. Então, nada de “eles parecem maus, mas escondem um bom coração” e outros tantos clichês. Isso pode acontecer: a “moral” falar mais alto, mas também pode subverter expectativas de quem decide assistir porque procura uma dose de ação — e só.

A cidade de Roanapur, sede da Companhia, é um personagem incrível. Concentra em um mesmo lugar, a máfia de Hong Kong, a máfia italiana, a russa, caçadores de recompensa e todos os tipos de bandido. Parece que caminhar pela cidade já é um ato criminoso.

São duas temporadas com 12 episódios cada. E mais cinco episódios especiais que contam histórias inéditas, mas que não necessariamente evoluem a trama. O mangá é escrito por Rei Hiroe, e vive entrando e saindo de períodos de hiato. Por isso, é possível que você considere a animação uma história fechada (com final aberto?) mas que deixa o gostinho de quero mais. Eu acho que fecha tudo muito bem e respeita o espírito da série.

Black Lagoon está disponível na Netflix.


Esta é a vigésima oitava recomendação do projeto da redação do NerdBunker#30Dias30Dicas. Durante trinta dias vamos publicar uma dica por dia aqui no site e em nossas redes sociais. TwitterInstagram e Facebook. A ideia é mostrar um pouco mais do que estamos consumindo por aqui: livros, animes, séries, filmes, etc. E ajudar o leitor nessa batalha que é encontrar algo legal no meio de tanta oferta.

E temos outras dicas no ar. Só escolher e clicar no nome abaixo e conferir!

  1. Dorohedoro (anime)
  2. The Arcana (jogo)
  3. Upload (série)
  4. I Am Not Okay With This (série)
  5. Floresta dos Medos (HQ)
  6. Undertale (jogo)
  7. O Sorriso da Hiena (livro)
  8. Um Lugar Chamado Notting Hill (filme)
  9. Haikyuu!! (anime)
  10. Bloodborne (jogo)
  11. The Wicked + The Divine (HQ)
  12. Sayonora Wild Hearts (jogo)
  13. Gravity Falls (série)
  14. Vignettes (jogo)
  15. A Voz do Silêncio: Koe no Katachi (anime)
  16. Bioshock Infinite (jogo)
  17. A Entidade (filme)
  18. Café da Manhã dos Campeões (livro)
  19. Monthly Girls’ Nozaki-kun (anime)
  20. Hollow Knight (jogo)
  21. Fragmentos do Horror (mangá)
  22. Monster (mangá)
  23. Tower of God (anime)
  24. Cook, Serve, Delicious 2 (jogo)
  25. Cadence of Hyrule (jogo)
  26. Papers, Please (jogo)
  27. Orquídea Negra (HQ)