Em séries, o que faz um showrunner?

Profissional é muito importante para a condução das produções televisivas

Fernanda Talarico Publicado por Fernanda Talarico
Em séries, o que faz um showrunner? David Benioff e Dan Weiss, showruuners de Game of Thrones, com Emilia Clarke

As série de TV se tornaram bastante presentes na vida das pessoas e aqueles que acompanham ferrenhamente as produções feitas em episódios, já devem ter ouvido falar em um cargo bastante importante para a qualidade e andamento dos títulos: o showrunner.

Muitas vezes responsabilizado pelo sucesso (ou pelo fracasso) de uma série, o showrunner é uma peça fundamental para a criação e andamento das produções. A função não existe em nenhum outro produto audiovisual e, cada vez mais, chama a atenção do público por sua importância.

O que é um showrunner?

O termo em inglês não tem uma tradução direta para o português, mas indica a pessoa responsável pelo andamento da série, que mantém o comando do que está acontecendo. Para Franthiesco Ballerini, autor do livro Jornalismo Cultural no Século 21, o showrunner é “um neologismo para designar a função de muitos profissionais dentro de um só, sobrecarregando-o inclusive”. Na conta desses acúmulos de responsabilidades, podem entrar: criação, produção, roteiro, direção, elenco, entre várias outras. O motivo de ter alguém encarregado de todos esses pontos é apenas um: manter a coesão do título.

Para o jornalista de entretenimento da Folha de S.Paulo, Rodrigo Salem, a escolha de um showrunner é algo vital para uma produção, “é como escolher um diretor para um filme”. “Tudo em torno de uma série, recai nos ombros de um showrunner. Ele é responsável por escolher diretor, equipe de roteiristas e, assim, definir o tom da série. Ao contrário do cinema, onde o diretor é a pessoa quem manda, na TV é o contrário, porque quem manda é o showrunner, que tem poder de decisão criativa e gerencial.”

No caso de séries de TV, é comum existir a chamada sala de roteiristas, onde diversos profissionais escrevem o roteiro da produção em conjunto. Assim, é necessário que alguém coloque ordem na casa e indique para os roteiristas o caminho da trama o qual ele quer que seja trilhado. Depois disso, é o showrunner quem lê todos os roteiros para perceber se há a unidade desejada.

Shonda Rhimes, criadora de Grey’s Anatomy e showrunner por várias temporadas, ao lado da protagonista Ellen Pompeo

É bastante comum que o criador de um título também seja o showrunner, por entender, desde a sua origem, qual será a história contada e onde ele quer chegar com a trama. “Normalmente, o showrunner é um roteirista veterano, consagrado. Existem casos, como o de True Detective, onde o Nic Pizzolatto veio da literatura, sem nada em seu currículo que o fizesse showrunner, mas ele era o dono da obra, então assumiu esse cargo porque a HBO gostou muito dos roteiros e bancou a escolha. Tanto que, depois de uma primeira temporada maravilhosa, deu com os burros n’água, porque a segunda e terceira não deram tão certo. Você percebe que falta experiência”, conclui Salem.

Showrunner é o produtor?

Entre as suas responsabilidades, o showrunner também produz o projeto, mas seu cargo é diferente de um produtor executivo, pois abrange ainda mais afazeres. Uma série pode ter muitos produtores executivos, que opinam, entram com dinheiro, e ajudam a determinar alguns pontos, mas o showrunner é uma espécie de centralizador entre eles.

Showrunner é como um diretor de cinema?

Uma comparação que acontece bastante é a do showrunner de uma série com o cargo de diretor de cinema, e ela faz sentido pois, assim como normalmente um cineasta à frente de um filme tem a palavra final, o showrunner também é o “chefe” da série. Porém, em ambos os casos, há a influência do estúdio e de produtores, que podem determinar principalmente as questões financeiras.

No entanto, se os showrunners conseguem produzir os seus trabalhos sem interferências externas, é possível que ele crie uma assinatura própria, assim como acontece com renomados diretores de cinema. Ou seja, as séries podem conter características típicas, possíveis de serem identificadas em suas obras.

Ryan Murphy, showrunner de Glee, com o elenco

E quando um showrunner abandona a série?

Uma das coisas mais prejudiciais a uma produção é quando um showrunner a abandona. Para Franthiesco Ballerini, o cargo pede um excelente relacionamento com equipe, pois isso afeta o trabalho e a rotina de todos eles. “Mudar este profissional pode derrubar a série, ou até atrasá-la. Por isso, em geral é quem mais ou um dos que mais mandam na série, porque é quase detentora dos direitos ou criadora”, conclui.

Muitos títulos são conhecidos por terem decaído bastante depois da saída de seus showrunners originais, como o caso de The Walking Dead, que teve várias pessoas no cargo: começou com Frank Darabont, passou para Glen Mazzara, Scott M. Gimple e, agora está sob o comando de Angela Kang. Assim, a produção contou com mudanças bruscas durante os anos. “Darabont foi demitido da primeira temporada por acordos financeiros, não foi uma diferença criativa, e aí você vê uma queda vertiginosa na série, quanto ao roteiro, mas ao mesmo tempo, você vê um aumento muito grande audiência”, explica Rodrigo Salem.

Supernatural também sofreu com a saída de seu showrunner e criador Eric Kripke, que abandonou a série depois da quinta temporada – uma das favoritas dos espectadores.

Existe o cargo de showrunner no Brasil?

Segundo Franthiesco Ballerini, o termo é restrito aos Estados Unidos e Canadá, “mas não duvido que começaremos a usá-los logo mais”. Já Salem acredita que antes mesmo do termo existir, “e se tornar tão popular”, já tínhamos os diretores gerais em produções brasileiras.

Showrunners famosos

No cinema, alguns nomes são rapidamente associados às suas obras e, no caso das séries para a televisão, não seria diferente.

É o caso de Shonda Rhimes, criadora e showrunner de Grey’s Anatomy por várias temporadas. Com o sucesso da série médica, ela fundou a Shondaland, produtora de diversos outros títulos que também contaram com a Rhimes na produção, como Scandal, Private Practice, How To Get Away With Murder, Bridgerton e mais.

Outro caso emblemático é o do Ryan Murphy, showrunner de Glee, American Horror Story, The Politician, American Crime Story, Nip/Tuck e mais.

Há diversos outros nomes importantes também, como Greg Daniels, de The Office; Michael Schur, de The Good Place; Damon Lindelof, de Lost e Watchmen; David Benioff e Dan Weiss, de Game of Thrones; e Amy Sherman-Palladino, de The Marvelous Mrs. Maisel.

Mais notícias