Confira 10 principais novidades de Zelda: Tears of the Kingdom

Está curioso para saber o que podemos encontrar no novo jogo da franquia?

Tayná Garcia Publicado por Tayná Garcia
Confira 10 principais novidades de Zelda: Tears of the Kingdom Zelda: Tears of the Kingdom/Nintendo/Divulgação

O tão esperado Zelda: Tears of the Kingdom finalmente chegou às prateleiras físicas e digitais por aí, mas muitos jogadores ainda querem saber o que podem encontrar de novidade.

Por ser uma sequência direta de Breath of the Wild, o jogo herda a estrutura principal do mundo aberto e vários elementos de seu antecessor, mas os amplia com mudanças e ideias inéditas.

Por isso, decidimos listar algumas das principais novidades de Tears of the Kingdom. Veja abaixo:

Mecânicas de fusão

Balões são simples de serem construídos, mas precisam de fogo para funcionar (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

A principal novidade da jogabilidade é a presença de mecânicas de fusão, Ultrahand e Fuse, que incentivam o jogador a ser criativo e combinar itens, armas e até comidas para a criação de engenhocas úteis. Você pode criar barcos, mini aviões e até foguetes com materiais simples do cenário, por exemplo.

Mecânica de “voltar” no tempo

Função de “voltar” no tempo é muito útil e fácil de ser usada (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

Outra mecânica inédita é Recall, que possibilita que Link faça um objeto ou item regressar no tempo, refazendo sua trajetória ao contrário. Se deparou com uma pedra que caiu do céu? Suba nela e faça ela voltar na mesma hora para descobrir de onde ela veio.

Mecânica de “atravessar” o teto

Cena de Link atravessando um teto no jogo (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

A quarta mecânica é Ascend, que serve para atravessar o teto logo acima de você. Assim, é possível sair de cavernas e dungeons em segundos, ou invadir casas e locais fechados e sem uma entrada aparente.

Dispositivos da Tribo Zonai

Os Zonai Devices podem ser encontrados em máquinas ao estilo gacha (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

Tears of the Kingdom ainda oferece ferramentas pré-definidas para usar com as mecânicas citadas acima, que são chamadas de Zonai Devices. São cápsulas de objetos úteis, como propulsores de voo, balões e rodas para a criação de transportes, planadores, armas e por aí vai.

Hyrule, ilhas flutuantes e profundezas

Um pouquinho de Hyrule numa queda livre de Link (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

O mundo aberto de Hyrule é praticamente o mesmo, mas há uma grande diferença. Agora, a exploração vertical foi expandida, e o reino apresenta três “camadas”: a superfície, as ilhas flutuantes e as profundezas. Cada “nível” tem suas próprias características e conteúdo, que convidam o jogador a transitar entre eles durante a exploração.

Dungeons únicas e variadas

Dentro de uma dungeon do jogo (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

O pedido dos fãs foi atendido, e as dungeons estão de volta. Não seguem exatamente o estilo tradicional de dungeons de títulos anteriores da franquia, mas são temáticas de acordo com a região em que se encontram e oferecem puzzles e chefes.

Fim dos Guardians

Um Construct amigável (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

Seja para bem ou mal, Tears of the Kingdom não tem os Guardians, as máquinas mortíferas espalhadas por Hyrule em BotW. No entanto, o jogo tem outro tipo de seres mecânicos importantes na trama e no mundo aberto: os Constructs. Alguns deles são hostis, enquanto outros até auxiliam Link.

Retorno dos Templos

A entrada do Templo da Água (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

O jogo deixa de lado as Divine Beasts para trazer o retorno de algo familiar aos jogadores: os Templos. Com ligação direta na história, eles são passagem obrigatória para zerar TotK e estão cheios de quebra-cabeças de ambiente, inimigos e chefes desafiadores.

Habilidades dos Sages

Os quatro Sages ao redor de Link (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

Além de avançar na história, finalizar um Templo concede uma habilidade especial para Link, que é quase como um NPC acompanhante. Cada Templo é ligado a um Sage que presenteia o protagonista com um espectro que o acompanha pela jornada ali em diante. Cada Sage concede uma habilidade especial, além de ajuda no combate.

Presença de Ganondorf

Ganondorf é uma das principais figuras da história (Imagem: Nintendo/Captura de tela)

A lista não poderia deixar de citar, é claro, um dos maiores pontos – e o causador do novo caos em Hyrule – da história. A forma mais icônica do Demon King, o Ganondorf, é o principal vilão do jogo. Mas as surpresas envolvendo o personagem precisam ficar em segredo para não entregar spoilers. Fica apenas aquele desejo de “boa sorte” para quem for enfrentá-lo!

The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom está disponível para Nintendo Switch.

Fique ligado no NerdBunker para mais novidades. Aproveite e baixe o novo Aplicativo do Jovem Nerd para iOS ou Android.

div-ad-vpaid-1
div-ad-sidebar-1
div-ad-sidebar-halfpage-1