Watchmen | Série da HBO celebra obra de Alan Moore e instiga novos mistérios

Assistimos aos dois primeiros episódios da produção

Fernanda Talarico Publicado por Fernanda Talarico
Watchmen | Série da HBO celebra obra de Alan Moore e instiga novos mistérios

Watchmen, a HQ cânone de Alan Moore, inspirou a série homônima da HBO. A produção foi criada por Damon Lindelof, o mesmo responsável por The Leftovers e Lost.

Em uma exibição para jornalistas, assistimos aos dois primeiros episódios da série que serve como um spin off de Watchmen e o resultado não poderia ser mais surpreendente.

Antes de focarmos nos episódios em si, é importante situar onde está a série dentro do universo de Watchmen: a produção se passa anos depois dos fatos narrados na HQ e ignora o filme de Snyder. Ressaltar este fato é necessário para entender que não se trata de um reboot; a série mostra uma realidade afetada pelos eventos finais da história de Moore.

O público adulto é o alvo da produção, tornando a HBO a casa certa para a série. Conhecido por não medir esforços quando o assunto é nudez, violência, cenas de sexo e assuntos polêmicos, o canal dá a possibilidade manter a fidelidade aos escritos originais.

Com base em apenas dois capítulos exibidos, é possível dizer que temos muito mais perguntas sendo feitas do que repostas sendo dadas. Sobre a trama, somos apresentados logo no episódio de estreia a um mundo lidando com sérios problemas raciais e que enfrenta uma luta diária entre policiais mascarados e grupos rebeldes.

Diferente da HQ, Watchmen a série traz uma personagem principal mulher e extremamente forte, sem discutir a questão de gênero em si. A Sister Night, vivida por Regina King, é uma vigilante mascarada que tenta entender e lutar contra os mistérios do grupo “The 7th Kavalry”; inspirados na Ku Klux Klan, com ideias de supremacia branca e que vestem a máscara do personagem Rorschach, da narrativa original de Moore.

Sem entrar em spoilers, há mais referências e citações à HQ do que eu imaginava. Mas, não se trata de um fan service sem sentido; tudo está dentro da trama por um motivo e amarrado com as demais questões – pelo menos até o episódio que assisti.

Um bom exemplo é o personagem do Ozymandias, interpretado por Jeremy Irons. O homem mais inteligente do mundo está na série e a sua presença é extremamente intrigante. Só o seu plot já me faz querer continuar a assistir.

Para a felicidade dos fãs, a série consegue então amarrar de uma ótima maneira os personagens já existentes com os novos; os Minutemen são citados, assim como Dr. Manhattan e outros. Porém, são as circunstâncias em que eles aparecem que tornam a série ainda mais empolgante e instigante.

Ainda sobre personagens, vale ressaltar a curiosa figura do presidente dos Estados Unido vivido por Robert Redford – sim, o ator interpreta ele mesmo em uma realidade em que ele se tornou o líder do país.

Esteticamente, a produção foge das cores ostensivas utilizadas por Snyder em seu filme. Ao contrário, ela é extremamente escura, daquelas que, em cenas de lutas, confunde o espectador, que acaba sem saber o que é que está acontecendo. Pode ser que, em um mundo de mascarados, você não enxergar direito as cenas faça sentindo; ou pode ser também que seja necessário apenas aumentar o brilho da TV.

Apesar disso, há algumas cenas de combates bem iluminadas em que os efeitos especiais são de encher os olhos. Logo no primeiro episódio, há um tiroteio que não deixa o espectador piscar de tanta ação.

Para casar perfeitamente com o tom da produção, a trilha sonora é estrategicamente inserida. Se Moore e Snyder usaram Bob Dylan em suas obras, Damon Lindelof resolveu inovar e colocou Trent Reznor e Atticus Ross, do Nine Inch Nails, para criarem as músicas da série. Elas trazem uma sonoridade pop misturada com batidas sintéticas que se encaixam perfeitamente à trama.

Watchmen tem nove episódios que, ao menos no começo, trazem um alento aos fãs saudosistas da franquia e cria novos mistérios que fazem da série em si um teste de Rorschach: a interpretação do espectador é o que vale, sem respostas certeiras.

Toda a trama parece tratar com respeito e cuidado o que foi criado por Alan Moore, quase que tendo como sagrada a história original. Mas, para aproveitar, é necessário deixar o purismo de lado e manter a mente aberta para as novidades introduzidas.

Watchmen estreia seu primeiro episódio no próximo domingo, dia 20 de outubro, na HBO.