The Boys | “Fiz coisas que nunca imaginei”, conta Antony Starr, o Homelander

Falamos sobre a segunda temporada com os integrantes de Os Sete

Fernanda Talarico Publicado por Fernanda Talarico
The Boys |

Imaginar como seria viver em um mundo com super-heróis é a alma de The Boys e, por isso, acompanhamos o controverso grupo Os Sete, o qual apresenta diferentes figuras poderosas e de comportamento extremamente questionável.

Na primeira temporada, somos apresentados ao megalomaníaco líder Homelander e toda a sua sede por poder e controle. Também conhecemos The Deep, com habilidades aquáticas; Starlight e suas luzes poderosas; e o homem mais rápido do mundo, A-Train. Apesar de seus poderes, todos são extremamente falhos – na maior parte das vezes, até mais que humanos. No segundo ano, uma nova personagem é apresentada: Stormfront, alguém que não mede esforços para chegar onde quer.

O Nerdbunker conversou com os atores Antony Starr (Homelander), Chace Crawford (The Deep), Erin Moriarty (Starlight), Jessie Usher (A-Train) e Aya Cash (Stormfront) para falar sobre o novo ano da série, a subversão de herói para vilão dos personagens e mais.

Herói ou vilão?

O certo e o errado se misturam tanto em The Boys que é difícil apontar com toda certeza em qual categoria um personagem se encaixa. Assim, os super-heróis da série são, na maioria das vezes, também os vilões.

Para Antony Starr, que interpreta Homelander, este é um trabalho divertido e até mesmo fácil de ser fazer. “Eu prefiro viver um cara mau do que um cara bom, em qualquer situação”, revela.

Acho que um personagem que é depravado e psicopata é muito mais divertido do que outro que tenta ser moral e eticamente correto o tempo todo.

Aya Cash, que vive a nova integrante de Os Sete, Stormfront, acredita que viver um vilão também é um desafio em sua carreira: “Os caras maus têm mais facetas, o que pede uma interpretação com I maiúsculo… E é bem mais legal”.

Stormfront, a nova integrante de Os Sete

Diferente de Homelander, personagens como The Deep e A-Train são mostrados mais frágeis e humanos, pagando por seus erros. Para Chace Crawford, The Deep é um “idiota privilegiado”, mas tem um importante papel a desempenhar. Na primeira temporada, ele abusa de Starlight e, por isso, é afastado do grupo de super-heróis. A série, então, mostra a sua vida se degringolar, até ele chegar ao fundo do poço.

É necessário mostrar que você não sai impune de uma coisas dessas. Você não pode fazer o que quer e achar que vai ficar tudo bem, ele precisa sofrer as consequências.

Mesmo com todos os problemas apresentados pela série, porém, Crawford preferiria ter poderes do que ser apenas humano. “Sempre escolheria isso!”, brincou.

Segunda Temporada

O segundo ano conta com ainda mais violência por parte dos heróis, assim como também um maior desenvolvimento de seus personagens. Para Erin Moriarty, a Starlight, esse momento de transição, da primeira para a segunda temporada, é um dos processos mais difíceis.

Não posso desconsiderar tudo o que ela passou, afinal o seu crescimento foi derivado de traumas e situações horríveis e não é possível deixar isso de fora.

Já para Jessie Usher, o A-Train, o caminho a ser percorrido agora será uma “estrada para redenção” de seu personagem.

Ele passou por maus momentos na primeira temporada: ficou fisicamente destruído, emocionalmente e psicologicamente enfraquecido, e ele tem que reconstruir e redescobrir muitas coisas sobre si mesmo, sobre o que ele quer e quais os seus motivos e intenções. E isso tudo acontecer de uma linda maneira, que só The Boys sabe entregar.

Homelander

Homelander no funeral feito para o Translúcido

Uma das maiores estrelas da série, não tem como negar, é Homelander. Vivido por Antony Starr, o personagem é um dos mais explorados pela trama, mostrando suas diferentes faces, que agora inclui também ser pai.

Para Starr, o personagem usa o fato de ter um filho a seu favor, de maneira egoísta. “Ele está pensando apenas em si próprio no começo”, acredita.

Acho que conforme a temporada avança, essa relação com a criança se aprofunda, se desenvolve e força Homelander a entrar em um novo território e em algumas situações em que ele vai lidar com a possibilidade de encontrar novas partes de si mesmo, se conhecer.

Durante a primeira temporada, é possível ter uma noção do quão complexo Homelander é, o aproximando de um “sociopata”, como Starr o classificou. Mas, para o ator, essas camadas do personagem o tornam mais legal de se interpretar.

Não tenho problema algum em viver um completo esquisito que empurra crianças de telhados. Ele desperta sentimentos conflituosos no público e não é apenas um vilão que dá risada alto enquanto mexe no bigode.

Sem dar spoilers do que está por vir, Antony Starr revela que esta temporada trará “as coisas mais bizarras que já fiz na minha carreira”.

Há uma cena de Homelander que é extremamente reflexiva, realmente faz uma viagem para dentro de sua alma, ele se confronta. Ela acontecerá no episódio quatro. Mal posso esperar para assistir.

The Boys já foi confirmada para a terceira temporada, mas ainda sem previsão de lançamento. Diferente da reação do fãs, Starr revelou ter ficado feliz, mas segurou o entusiasmo “Recebi o e-mail enquanto estava no banheiro”, brincou.

O segundo ano da série será lançado a partir do dia 4 de setembro, no Amazon Prime Video.