Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge | Review

Jogo beat 'em up de As Tartarugas Ninja junta pancadaria e nostalgia em um grande tributo aos desenhos

Vítor Heringer Publicado por Vítor Heringer
Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge | Review

Cowabunga! Não tem como ler essa expressão e não remeter à nostalgia de As Tartarugas Ninja. A franquia, criada em 1984, é sinônimo de diversão para muitas pessoas que passaram a infância curtindo o desenho e lendo as HQs.

Esses dois sentimentos estão muito bem representados em Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge, novo jogo beat ‘em up dos heróis desenvolvido pela Tribute Games (Panzer Paladin e Flinthook) e publicado pela Dotemu.

O título já começa com uma abertura animada que é uma ode ao desenho e conta com uma música icônica do grupo, dando a sensação de que estamos entrando em uma aventura cheia de personalidade e referências à franquia.

Não é nenhuma surpresa que o gameplay é o foco de Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge. O game traz jogabilidade ao estilo de brigas de rua dos clássicos arcades, mas com mecânicas renovadas, diversas possibilidades de combos, inimigos variados e muito conteúdo para aproveitar — tudo isso acompanhado de personagens que amamos.

Os heróis clássicos estão de volta em um jogo com muita porradaria

Arregace as mangas para muita porradaria

O elenco de heróis jogáveis é de deixar qualquer fã nostálgico: Raphael, Leonardo, Donatello, Michelangelo, Mestre Splinter, April O’Neil e Casey Jones (liberado apenas após terminar a história pela primeira vez). E eles não são simples skins dos personagens famosos, mas sim interpretações diretas de como ficaram conhecidos pelo público.

A personalidade de cada integrante do grupo é apresentada de forma simples, como em comemorações nas vitórias e nos gritos de ataque, e suficiente para passar o jeito distinto de cada um dos membros.

A Tribute Games conseguiu captar a essência dos combates dos personagens a partir das especialidades nas armas e nos diferentes portes físicos. Por exemplo, Splinter se movimenta mais devagar ao andar, mas se torna rápido e efetivo em seus ataques, já Donatello, com seu bastão, tem mais alcance e acerta mais adversários.

O estilo diferenciado dos heróis torna o jogo diverso, oferecendo novas maneiras de abordar as batalhas e aprender combos diferentes, estimulando a evolução no gameplay com todos os integrantes do elenco.

A personalidade de cada herói é exibida nas comemorações

A jogabilidade é fácil de entender e tem comandos simples, apresentados logo no início. No entanto, é o famoso caso em que dominá-la demanda um pouco mais de tempo. Essa característica estimula a realização de combos ainda mais complexos ao longo da narrativa, mas que não tornam a jogabilidade cansativa.

A cada fase da trama, é possível testar novas sequências e, em caso de acerto, há uma grande satisfação e o sentimento de que dá para superar qualquer desafio. O domínio das mecânicas acontece de forma natural conforme a história avança e deixa o gameplay ainda mais divertido com as inúmeras opções de combos ninjas.

No modo história, podemos utilizar qualquer um dos lutadores e somos desafiados em diversas batalhas que reúnem um grande número de oponentes. Isso exige variação nos ataques, precisão nas esquivas, análise de adversários e a busca para atingir o maior combo possível conforme avançamos a cada luta, garantindo o bônus de ativar ataques especiais devastadores.

Outro grande acerto do estúdio é a variedade de inimigos. Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge “bebe da fonte” e traz inúmeros vilões icônicos como chefes, como Rato Rei, Tempestra e, como não poderia faltar, o Destruidor. Não vamos revelar todos por aqui, mas saiba que a lista é extensa.

Jogo das Tartarugas Ninja tem diversos tipos de inimigos

Além desses nomes famosos, existem vários outros tipos de adversários que mudam suas armas, habilidades, tamanhos e movimentos. Até o fim do game, são mostradas ainda novas versões de oponentes que exigem cuidado para não perder vida de forma descuidada.

As batalhas ao final dos episódios são o ápice de emoção em termos de desafio e nostalgia. Poder lutar contra um elenco de nomes icônicos tão bem representados é o sonho de todo o fã do desenho e dos quadrinhos – e a Tribute Games captou exatamente essa sensação.

O elenco de vilões também é um grande destaque no game

O estúdio também acerta ao entregar fases extremamente divertidas, com diferentes obstáculos para superar enquanto o jogador lida com hordas de inimigos, e até sequências bem emocionantes com pranchas voadoras.

A história não é o foco do jogo, mas cumpre o seu papel de forma satisfatória. A apresentação de imagens estáticas após o fim de cada episódio é o suficiente para construir a narrativa e dar início ao quesito mais importante: as brigas intensas.

Para quem passou grande parte da infância se emocionando e torcendo pelo grupo de heróis, o título passa essa mesma sensação, mas agora com os próprios jogadores fazendo parte da missão. Não é necessária nenhuma reviravolta ou algo do tipo, somente o carisma das Tartarugas Ninja.

História é simples, mas tem o carisma do grupo de heróis

Hora da Pizza!

Como uma pizza de tamanho gigante, o jogo se sobressai ao trazer muito conteúdo para os jogadores aproveitarem. Após terminar a história, existem inúmeras possibilidades que nos fazem querer retornar ao game. Por exemplo, cada episódio da campanha tem um número de desafios e segredos para completar e a narrativa tem sete finais diferentes.

Além disso, o título oferece três opções de dificuldades: fácil, moderado e casca grossa. A última opção é a que mais lembra os arcades, trazendo alta complexidade e desafios. É uma ótima maneira de testar as habilidades, garantindo a melhor sensação de recompensa após terminar uma fase e gritar a famosa palavra: “Cowabunga”!

Além da história, existem muito motivos para retornar ao título

E isso não é tudo. Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge conta com um modo Arcade que traz a nata da experiência clássica. Sem qualquer ponto de salvamentos, é necessário terminar toda a história de uma vez.

Esse é um grande desafio, que estimula os jogadores a tentarem superar os seus recordes, e há até um placar para disputar com amigos ou tentar ser o número um globalmente. Isso já o suficiente para os fãs mais competitivos passarem horas e horas no game.

O Arcade parece uma ótima combinação para aproveitar com o multiplayer cooperativo, mas não deu para testá-lo durante o período de avaliação, por não encontrar participantes. No entanto, é bom lembrar que o game terá suporte para até seis pessoas no modo online e localmente, sendo mais uma opção para se divertir.

O modo Arcade oferece um desafio sem igual e muita competição

Músicas e visuais marcantes

Claro, gameplay, personagens e conteúdos de sobra são muito importantes para um jogo. No entanto, um fator pode ser decisivo para tornar a experiência marcante: a trilha sonora. Nisso o game acerta em cheio, trazendo músicas que passam muita emoção e nostalgia, principalmente por se inspirar nas já consagradas melodias do desenho.

Seja ao juntar inúmeros inimigos, nas lutas contra chefes ou somente pelo mapa da história, o título passa o clima de aventura e heroísmo conhecido da franquia. Essa imersão é fundamental para a sua proposta (muita ação e pancadaria) e também para o objetivo do grupo, que é salvar Nova Iorque mais uma vez das garras do Destruidor.

O principal responsável por isso é compositor Tee Lopes, também conhecido pelos trabalhos em Sonic Mania, Streets of Rage 4, Metal Slug Tactics e League of Legends, que garantiu mais um feito marcante para o seu currículo.

Trilha sonora deixa a ação do game ainda mais emocionante

Além da parte sonora, é válido destacar o trabalho impecável da produtora nos visuais retrô do jogo, combinando a experiência clássica dos arcades com gráficos bem feitos de personagens, cenários e golpes. Isso garante a sensação de nostalgia, sem deixar de lado o bom desempenho que a tecnologia atual proporciona.

Pancadaria sincera que vale a pena

Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge entrega exatamente o que os fãs desejam: muita confusão com personagens icônicos dos desenhos e das HQs. O gameplay é envolvente, divertido, fácil de aprender e também traz desafios, como o modo Arcade, que incentivam os jogadores a seguirem aproveitando o game por muito tempo.

A Tribute Games reproduziu toda a essência da animação e dos quadrinhos, incluindo os principais personagens e suas personalidades diferenciadas, vilões icônicos e uma trilha sonora que atinge o coração de todos os fãs. É realmente como se fosse um grande tributo (não tinha como escapar do trocadilho) à uma das produções mais influentes desde a década de 1980.

Além disso, o jogo oferece muitas opções para retornar, seja para concluir a histórias mais vezes com outros personagens, conquistar todos os desafios, superar os recordes dos amigos ou simplesmente relaxar após um longo dia dando muita pancada em ninjas malvados.

Mesmo não sendo o tipo de jogo que costumo jogar no meu tempo livre, Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge me conquistou ao ponto de não conseguir pensar em algum quesito negativo. Portanto, seja para os conhecedores ou novatos no gênero, é uma experiência obrigatória.

O jogo será lançado nesta quinta-feira (16) para PlayStation 4, Xbox One, PC e Nintendo Switch, localizado para português do Brasil. O review foi feito com uma cópia de PC cedida pela Dotemu.

div-ad-vpaid-1
div-ad-sidebar-1
div-ad-sidebar-halfpage-1