Sem apresentador, audiência do Oscar cresce, mas fica como a segunda pior da história

A premiação do ano passado segue sendo a pior audiência da história do prêmio

João Abbade Publicado por João Abbade
Sem apresentador, audiência do Oscar cresce, mas fica como a segunda pior da história

Quando o assunto é audiência, o Oscar 2019 representou um pequeno respiro para a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Depois de quatro anos de queda constante nos números, a audiência enfim subiu: de 2018 para 2019, pouco mais de três milhões de norte-americanos decidiram voltar a assistir a premiação. Apesar do crescimento, os números ainda não são favoráveis, já que nos últimos quatro anos mais de 17 milhões de pessoas desistiram de ver o Oscar.

Várias análises podem ser feitas para determinar o que foi crucial para a audiência voltar a subir. A grande diferença foi a falta de um apresentador oficial — algo que não acontecia desde 1987  Performances poderosas, como a de Lady Gaga e do Queen também podem ter sido fatores importantes para essa escalada nos números.

Confira como as audiências do Oscar se comportaram ano após ano:

Apesar de o crescimento na audiência ser significante para os organizadores, especialmente considerando que a transmissão estava competindo por público com o final da terceira temporada de True Detective e o novo episódio de The Walking Dead, é importante dizer que os números foram baixos para os padrões de Oscar. No quadro geral, essa foi a segunda pior audiência da história do prêmio desde 2001 (quando os dados começaram a ser divulgados) — perdendo apenas para o ano passado (2018), que segue imbatível como a pior audiência da história.