Scorpio só terá VR quando jogos não parecerem demos ou experimentos, diz executivo

Segundo Phil Spencer, a tecnologia e a experiência ainda precisam ser melhoradas

Jefferson Sato Publicado por Jefferson Sato
Scorpio só terá VR quando jogos não parecerem demos ou experimentos, diz executivo

Enquanto o mundo está de olho da tecnologia de realidade virtual, com diversos visores já lançados no mercado, ainda existem aqueles mais cautelosos que acreditam que o momento ainda não é o adequado para jogos em VR, como é o caso do chefe da divisão Xbox da Microsoft, Phil Spencer.

Quando perguntado sobre a possibilidade de utilizar a tecnologia em jogos para Xbox One e Windows em uma entrevista para o Stevivor, ele afirma que ainda não está certo sobre isso.

“Eu amo a tecnologia por trás do VR. Eu tenho um HTC Vive, um Oculus Rift. Eu usei bastante o PlayStation VR em demos e essas coisas”, comentou. “Eu acho que os criadores ainda não encontraram espaço nos jogos – bem, eles obviamente não aperfeiçoaram a habilidade de construir jogos em VR. É muito cedo, eu acho que ainda faltam alguns anos até que a tecnologia chegue para todos”.

A maior parte das coisas que estou jogando agora parecem demos ou experimentos, o que eu realmente acho que é o que deveria acontecer. Isso não é uma crítica, deveria estar acontecendo. Mas acho que precisará de mais tempo.

E parece que se a tecnologia de realidade virtual evoluir o bastante, a próxima versão do Xbox One, o Scorpio, estará pronta para recebe-la:

Eu acho que o VR vai encontrar seu lugar nos jogos, eu aposto nisso. Nós desenvolvemos o Scorpio como um console capaz de utilizar VR. Se isso vai acontecer neste ano, no ano que vem ou depois… como eu disse, ainda acho que a comunidade criativa precisa entender o que são estas novas ferramentas, esta nova sensação – esta nova imersão.

Apesar de não ter um dispositivo de realidade virtual, a Microsoft tem o HoloLens, focado em experiências de realidade aumentada com “hologramas”. O aparelho foi desenvolvido não apenas com jogos em mente, mas também buscando possibilitar o uso de um ambiente de trabalho totalmente tridimensional para realizar diversas tarefas.