Scarlet Nexus | Review

Combates alucinados guiam a história no mundo Brainpunk criado pela Bandai Namco

Jeff Kayo Publicado por Jeff Kayo
Scarlet Nexus | Review

Scarlet Nexus une o que há de melhor referente ao estilo visual dos animes num jogo de ação com alguns elementos de RPG e toda a velocidade dos combates dos hack’n slash mais badalados do mercado.

O jogo também inaugura a franquia inédita e representa uma aposta audaciosa da Bandai Namco, que deve estar cansada de pagar royalties para a Toei Company dado seus recentes lançamentos focados em macacos alienígenas e piratas que esticam.

Game e anime

Anunciado durante o showcase da Microsoft na E3 2019, Scarlet Nexus era a promessa da Bandai Namco para 2021. Uma produção sem modéstia alguma, e que vem acompanhada de um projeto multimídia: um anime produzido pela Sunrise e com estreia mundial prevista para julho através do serviço de streaming da Funimation.

A Bandai Namco colocou alguns dos grandes veteranos da empresa à cargo da nova franquia. Kenji Anabuki, de Tales of Vesperia, assumiu a direção, enquanto Keita Iizuka, de God Eater e Code Vein, assina como produtor. Além dos dois, Asana Inoki (Tales of Xillia, Baten Kaitos) foi contratado como um dos roteiristas, e Kouta Ochiai (God Eater 2) se encarregou de toda a arte visual do game.

Brainpunk: o universo futurista do game

Estilo futurista marca visual do game

Num futuro distante, os avanços tecnológicos levaram a humanidade a descobrir praticamente todos os mistérios do cérebro. Com isso, a tecnologia alcançou patamares inéditos, seja para o bem ou para o mal. 

Dentre as maiores inovações, os seres humanos passaram a desenvolver super poderes que podiam ajudá-los nas tarefas mais mundanas e também na guerra, claro. Mas a de Scarlet Nexus não é uma guerra qualquer, mas sim uma invasão de seres conhecidos apenas como “Outros”, que caem do céu e se alimentam de cérebros humanos.

Uma força especial de elite foi criada para enfrentar essa ameaça, e o mundo passou a viver em constante alerta, porque ninguém sabia quando nem onde a próxima onda de inimigos poderia aparecer.

E como desgraça pouca é bobagem, prepare-se para muitas revelações de segredos sombrios durante as horas do jogo. A simples guerra contra monstros bizarros dá aquela clássica virada de 180° e vai derrubar o queixo de muita  gente.

Dois protagonistas, uma história

Yuito divide os holofotes com Kasane

É nesse mundo cheio de guerras incertas que vive Yuito Sumeragi, cadete recém-formado pela OSF (Other Suppression Force) que, mesmo vindo de uma família nobre, precisou passar pelo treinamento mais exaustivo da academia, pois não possuía um poder latente suficiente para ser indicado como prodígio.

Do outro lado, a cadete Kasane Randall tinha poder de sobra e se formou com honras na academia, assumindo um papel de liderança no seu pelotão e conquistando o respeito de (quase) todos ao seu redor.

Scarlet Nexus deixa o jogador escolher com qual protagonista ele vai desbravar a história. São dois pontos de partida similares para uma mesma história, onde os momentos chave são praticamente os mesmos, mas com mudanças significativas relacionadas aos motivos de cada um dos personagens. A história muda um pouco, mas tende a afunilar para um final comum.

Combate bonito, formoso

Há várias maneiras de derrotar os inimigos

Se a trama não for motivação o suficiente para jogar mais uma vez o game após o seu término, faça-o pelo combate. Tanto Yuito quanto Kasane são personagens com movimentação e combos similares, mas o que vai deixar as coisas interessantes são os membros da sua equipe.

Em Scarlet Nexus,  os protagonistas usam e abusam das habilidades dos seus companheiros de equipe. Tudo por causa da rede neural chamada SAS, que possibilita o uso dos poderes dos colegas quando você bem entender. 

Funciona exatamente como o sistema de magias do jogo. Ao pegar emprestado o poder do seu companheiro de equipe, seus golpes passam a atear fogo ou eletrocutar os inimigos; podem deixá-lo mais rápido ou com a capacidade de prever o futuro; deixam-no invisível ou com um corpo invulnerável a ataques físicos.

Mapa do cérebro, que funciona como árvore de habilidades

E tudo melhora conforme o jogo avança. Depois de destravar algumas melhorias na sua árvore de habilidades, é possível utilizar mais de um poder ao mesmo tempo, sem custo adicional ao jogador. É poder sem limites, meu amigo.

Para treinar o jogador a utilizar esses poderes, o game vai inserindo inimigos específicos que precisam ser abatidos com os poderes certos. Dá para vencer apertando só um botão o tempo todo? Dá, mas saber qual SAS utilizar nos combates é essencial para um melhor aproveitamento do combate (fora o estresse evitado, né?).

Kasane e Yuito dependem exclusivamente das suas respectivas equipes para utilizar essas habilidades especiais, então a jogatina muda um pouco dependendo de qual personagem for escolhido — e se mudam os poderes, também mudam alguns inimigos; assim cada uma das campanhas apresenta novidades aos jogadores de algum modo.

Para descansar os dedos

O esconderijo é onde você vai aprofundar as amizades

Scarlet Nexus tem muito conteúdo além das batalhas. Ele não conta com mundo aberto, mas é possível revisitar todos os cenários da campanha quando o jogador alcança os interlúdios entre episódios do jogo.

A cada fase cumprida, somos levados para o esconderijo e, de lá, podemos organizar nossa equipe e botar o papo em dia, literalmente. O game conta com um sistema de relacionamento que, para o seu próprio bem, precisa ser explorado ao seu limite se quiser que seus poderes alcancem o nível máximo.

Os famosos “skits” da série Tales of estão presentes em Scarlet Nexus como “Eventos de Relacionamentos”. Quando acionados, assistimos a uma cutscene de interação entre os personagens, sempre tudo muito fofinho e não relacionado à trama principal. As histórias leves funcionam quase como fillers entre as fases do game, que passam a se tornar cada vez mais pesadas.

As habilidades que o protagonista pega “emprestadas” são melhoradas de acordo com o relacionamento entre personagens

Esses “Eventos de Relacionamentos” servem para aumentar o laço de amizade entre você e o personagem em questão. Para acelerar o processo, você pode presentear seus amigos com itens adquiridos na loja, através do menu Exchange (ali você troca itens encontrados nas fases por equipamentos, itens consumíveis e presentes, entre outras coisas). Quanto maior o nível de amizade, mais poderes são destravados. Acredite em mim, você vai querer maximizar tudo.

Aproveite o momento também para mexer na sua árvore de habilidades, equipamentos, plug-ins com habilidades únicas e visuais — tem alguns itens de personalização bem interessantes no jogo.

Scarlet Nexus entrega uma mistura interessante de sucessos passados da empresa. Tem Code Vein, God Eater e até algumas coisas da série Tales of, tudo junto e misturado. Pode parecer um pouco de exagero no início, mas ao alcançar as quase 20 horas de jogo, percebi que os interlúdios já não me deixavam mais entediado, e até passei a “grindar” certas matérias-primas em busca do presente especial que eu estava devendo para algum membro do meu time. E viva os jogos de anime!


Este review foi feito a partir de um PS4 Pro, com cópia do jogo cedida pela Bandai Namco.

Scarlet Nexus está disponível para Xbox One, PS4, Xbox Series X, PS5 e PC.

Mais notícias