Review | South Park: A Fenda que Abunda Força

Embora o humor e a história deixem a desejar, título ainda entrega experiência divertida

Jefferson Sato Publicado por Jefferson Sato
Review | South Park: A Fenda que Abunda Força

Em 2014 a Ubisoft surpreendeu os fãs com South Park: The Stick of Truth. O jogo desenvolvido pela Obsidian Entertainment (Fallout: New Vegas) com a ajuda dos criadores da série original, Trey Parker e Matt Stone, transferiu com excelência o que a série era para os videogames. Agora, três anos depois o título ganhou uma sequência, tão promissora quanto o primeiro.

South Park: A Fenda que Abunda Força (ou The Fractured But Whole, no original) teve um desenvolvimento um pouco diferente, desta vez sendo feito pela Ubisoft San Francisco e escrita apenas por Trey Parker. O resultado é um jogo tecnicamente melhor que o primeiro, mas um pouco decepcionante em termos de história e humor.

Guerra Civil

Se no primeiro jogo South Park fez uma paródia com diversas franquias de fantasia, o alvo desta vez são os super-heróis e sua alta posição em Hollywood, com diversas séries e filmes formando universos compartilhados.

O jogo começa com você, o Novato, ainda brincando de fantasia medieval, quando Eric Cartman, vestido como o herói Guaxinim, “volta para o passado” para avisar que algo terrível aconteceu, mudando imediatamente a brincadeira.

Cartman quer juntar o grupo conhecido como Guaxinim e Amigos para resgatar um gatinho e ganhar uma recompensa que o ajudaria a construir sua franquia de filmes para superar o grupo rival, os Amigos da Liberdade. Nesta jornada, é obvio que a brincadeira deles vai tomar proporções absurdas na cidadezinha.

A série South Park tem uma série de elementos que sempre são previsíveis, como este citado acima, mas o jogo acaba ficando em um nível mais bobinho do que a média, mostrando uma aventura divertida, mas bastante sem sal.

Um dos motivos para isso é o humor, que até consegue arrancar risos em diversos momentos, mas nunca nada excepcional. Muitas das brincadeiras são repetições do que vimos no primeiro jogo e várias das piadas dependem que o jogador conheça o título anterior ou a série de TV.

E esse monte de referências?

Tive a impressão de que os desenvolvedores evitaram ousar, entregando situações muito comuns para os padrões da série e perdendo a oportunidade de entregar alguns momentos tão absurdos quanto costumamos ver do desenho animado. O resultado é uma história que tenta se manter em um território seguro e acaba perdendo a graça no caminho.

Heróis táticos

Se a história e o humor decaíram em relação ao primeiro jogo, o mesmo não pode ser dito de suas mecânicas. Aliás, o combate é ainda mais importante na sequência, o que é bom, porque seu sistema evoluiu bastante e ficou ainda melhor.

As batalhas ainda acontecem em turnos e ainda são bastante acessíveis, mesmo para pessoas que não estão acostumadas com o estilo. No entanto agora é necessário levar em consideração a posição dos personagens, área de efeito das habilidades e os objetos, adicionando uma bela camada de estratégia.

Cada personagem tem seus próprios conjuntos de técnicas e características que desta vez são muito mais relevantes para o combate. O protagonista também conta com diversas classes para escolher, eventualmente podendo misturar habilidades para criar uma combinação única.

Os companheiros que escolhemos, os equipamentos chamados Artefatos e os consumíveis de batalhas são todos importantes. Também existe um novo sistema de fabricação, sendo que alguns itens só podem ser obtidos por lá. Tudo isso funciona de forma simples, deixando as batalhas mais divertidas, mas sem que fiquem complexas.

Fora dos combates as coisas podem parecer um pouco familiares, já que boa parte do mapa é igual ao primeiro jogo, mas ainda há diversas atividades novas e divertidas para realizar: quebras-cabeças aos montes espalhados por South Park, cada um precisando de uma habilidade anal diferente do Novato, missões paralelas, tirar selfies com seguidores para a rede social Coonstagram, coletar artes Yaoi e muito mais.

Todas protagonizadas pelo Craig e pelo Tweek!

Só para fãs?

O novo jogo de South Park consegue ser ainda melhor que o primeiro tecnicamente, com diversas atividades divertidas para realizar e um sistema de combate mais robusto. No entanto, o humor raso, a história muitas vezes fraca e as situações recicladas dão a impressão de que só fãs da franquia vão conseguir aproveitar o jogo.

Dito isso, mesmo com estes tropeços a Ubisoft conseguiu entregar uma boa sequência que continua sendo extremamente fiel ao desenho animado, cheio de referências, sátiras e críticas sociais. Só não ficou tão bom quanto os fãs estão acostumados.


South Park: A Fenda que Abunda Força está disponível para PC, PlayStation 4 e Xbox One. Este review foi feito com uma cópia do jogo para PlayStation 4 cedida pela Ubisoft.