Rede de cinemas proíbe máscaras e fantasias em sessões de Coringa

A ideia é fazer com que os clientes se sintam confortáveis

Marina Val Publicado por Marina Val
Rede de cinemas proíbe máscaras e fantasias em sessões de Coringa

Enquanto um cinema americano promoveu uma sessão de It: Capítulo Dois apenas para palhaços assustadores, as salas de exibição estão indo na direção oposta com Coringa.

O Landmark Theatres, uma rede de cinemas dos Estados Unidos, está proibindo qualquer tipo de fantasia nas sessões do filme.

Desde 2012, quando um atirador abriu fogo em uma sessão de Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge em Aurora, no Colorado, a maioria dos cinemas americanos proíbem máscaras e armas de brinquedos. Entretanto, o Landmark decidiu ampliar suas restrições por conta da das cenas brutais que foram alvo de discussão nas últimas semanas.

Em uma declaração ao The Hollywood Reporter, Ted Mundorff, presidente do Landmark Theatres, comentou que deseja “que os clientes fiquem confortáveis no ambiente“.

Diretor de Coringa diz que é injusto culpar filmes pelos atos de violência no mundo real

Coringa | Warner afirma que filme não incentiva a violência

O elenco de Coringa conta com Joaquin Phoenix, Robert De Niro, Zazie Beetz (Deadpool 2), Bill Camp (Operação Red Sparrow), Frances Conroy (American Horror Story), Brett Cullen (Narcos), Glenn Fleshler (Barry), Douglas Hodge (Operação Red Sparrow), Marc Maron (GLOW), Josh Pais e Shea Whigham (Kong: Ilha da Caveira).

Já a equipe criativa é liderada pelo diretor Todd Phillips, de Se Beber Não Case, e o roteirista Scott Silver, de O Vencedor e 8-Mile. O longa é produzido por Phillips, Emma Tillinger Koskoff (Silêncio) e Bradley Cooper.

A produção é a primeira de um novo selo de filmes mais sérios e pesados baseados nas obras da DC Comics. Os longas terão diretores com estilos próprios e marcantes, e não estarão necessariamente ligados aos filmes da universo cinematográfico da editora. O filme levou o Leão de Ouro no Festival de Veneza.

Coringa estreia no Brasil em 3 de outubro de 2019. Confira a nossa crítica!