O Rei Leão é plágio de Kimba ou não?

A controvérsia, que dura há mais de 20 anos, ainda é debatida por muitos fãs da cultura pop

Tayná Garcia Publicado por Tayná Garcia
O Rei Leão é plágio de Kimba ou não?

Depois de 25 anos, o clássico O Rei Leão retornou aos cinemas, acendendo nostalgia no coração de quem cresceu com a animação e alcançando mais uma geração.

No entanto, não foi apenas isso que o filme provocou. Com o retorno da jornada de Simba, uma controvérsia de mais de 20 anos voltou a ser assunto entre os fãs da cultura pop.

A polêmica envolve a ideia de que a Disney teria plagiado o mangá Kimba, o Leão Branco, escrito por Osamu Tezuka, para a criação da história de O Rei Leão.

O assunto é debatido há muito tempo, com muitas informações e declarações soltas por aí. Então decidimos explicar e resumir o que aconteceu.

O que é Kimba?

o rei leão kimba
Arte do anime de Kimba, o Leão Branco

Osamu Tezuka é um dos maiores mangakás do Japão, sendo considerado um dos pioneiros do mangá moderno. Ele é a mente por trás de grandes obras que conhecemos até hoje, como Astro Boy, Buddha, A Princesa e o Cavalheiro e o Dororo.

Entre suas criações, se destaca Kimba, o Leão Branco, voltado para o público infantil. O mangá foi publicado entre 1950 e 1954 pela revista Manga Shonen, fazendo tremendo sucesso em terras japonesas.

A obra foi tão vendida e comentada que um anime baseado em sua trama foi produzido pela Mushi Productions, estúdio também criado por Tezuka, poucos anos depois. A animação, que foi a primeira colorida da televisão japonesa, foi ao ar entre 1965 e 1967.

A partir disso, Kimba deslanchou no Japão e se tornou uma franquia, ganhando produtos temáticos, filmes, remakes e até estrelando comerciais e se tornando mascote de um time de beisebol.

Semelhanças e diferenças com O Rei Leão

Kimba, o Leão Branco conta a história de um filhote de leão cujo pai, Caesar, é considerado como o Rei da Selva e acaba sendo assassinado por um grupo de caçadores.

Com sua morte, o leão malvado Bubu assume a posição de liderança, o que faz a selva se tornar um caos. A trama se desenrola com Kimba tentando recuperar seu direito ao trono e honrar o seu pai. No caminho, ele conta a ajuda de uma leoa chamada Léia, sua melhor amiga, e faz amizades improváveis com vários animais.

As similaridades entre Kimba e O Rei Leão já começam na premissa básica, como um dos objetivos dos protagonistas ser recuperar o “trono”, e na correlação entre os personagens principais — Caesar e Mufasa, Bubu e Scar, Léia e Nala.

Alguns pequenos detalhes também são praticamente idênticos, como a presença de um babuíno sábio, hienas famintas e pássaros que servem como alívio cômico.

As semelhanças vão além da trama e alcançam até o enquadramento e posição de personagens em várias cenas, como Simba/Kimba no topo da Pedra do Rei e Mufasa/Caesar aparecendo nas nuvens.

Veja algumas comparações:

Vale destacar que Kimba e O Rei Leão são parecidos em termos de estrutura, mas suas histórias se diferem em vários pontos.

Kimba nasce em um navio que acaba naufragando e matando todos a bordo, exceto ele e seus pais. Então, eles acabam se separando. A mãe é capturada por caçadores e, quando Caesar tenta salvá-la, é assassinado pelos humanos.

Enquanto isso, o pequeno leão nada até terra firme e encontra pessoas bondosas que cuidam dele. A partir daí, Kimba parte para a selva e se torna rei, tomando como principal objetivo ensinar os animais que eles podem viver pacificamente com os humanos.

Já em O Rei Leão, a trama inteira é voltada para a redenção de Simba após a morte de seu pai, Mufasa, causada por seu tio malvado, Scar.

Afinal, foi plágio ou não?

A produção de O Rei Leão começou em 1989, ano em que, coincidentemente, Osamu Tezuka morreu. Assim que a animação foi lançada, cinco anos depois, os fãs do mangaká logo perceberam as semelhanças com Kimba e começaram a questionar.

A Disney, desde o primeiro momento, negou as acusações e manteve a posição de que era uma produção 100% original sua. O estúdio apenas declarou que suas inspirações para a trama tinham sido Hamlet, de William Shakespeare, e Bambi.

Em uma declaração, a empresa até chegou a afirmar que os animadores que trabalharam no filme sequer sabiam da existência de Kimba — o que acabou sendo parcialmente desmentido em uma entrevista do animador Tom Sito ao Huffpost, que confessou ter assistido o anime durante sua infância.

“Os animadores que trabalharam no filme, se eles cresceram durante os anos 1960, provavelmente assistiram Kimba. Eu assisti quando era criança nessa época e acho que, bem no fundo de minha memória, estamos cientes disso. Mas acredito que ninguém pensou conscientemente: ‘Ei, vamos roubar a história de Kimba’”, declarou Sito.

Já os diretores do longa, Rob Minkoff e Roger Allers mantiveram a postura de que não conheciam Kimba. Allers até alega que só soube da existência da obra durante uma viagem para o Japão justamente para promover O Rei Leão.

No meio das acusações, a Tezuka Productions e a Mushi Production não se manifestaram e nem tentaram processar a Disney. Quando questionados sobre isso, os porta-vozes das empresas explicaram que um processo contra um estúdio tão grande poderia levá-los à falência, então eles apenas aceitariam a situação como elogio e deixariam por isso mesmo.

Com a posição passiva das produtoras de Tezuka, mais de 400 animadores japoneses assinaram um abaixo-assinado para a Disney confessar a inspiração e dar os devidos créditos para o mangaká. A ação, no entanto, não resultou em nada.

A situação permanece a mesma até hoje, pelo menos, oficialmente. As empresas de Tezuka e até a família do mangaká não querem um processo de tal nível, e a Disney ainda nega as acusações. O que deixa para os fãs da cultura pop discutirem se, afinal, foi um plágio.

Osamu Tezuka e a Disney

o rei leão kimba
Osamu Tezuka com uma de suas criações, o Astro Boy

No meio de tanta controvérsia, pelo menos sabemos que o Osamu Tezuka e a Disney têm uma ligação forte que vão além de acusações de plágio.

Tezuka foi um dos grandes nomes da indústria de mangás e animes no Japão, ganhando até o apelido de “Walt Disney japonês”.

O mangaká era grande fã das obras da Disney, especialmente de tudo que Carl Barks, criador do universo de Pato Donald, desenhava. Isso foi refletido no visual dos personagens de seus mangás, como os olhos grandes e as bocas expressivas.

A admiração de Tezuka pelo estúdio norte-americano ainda o fez conhecer o próprio Walt Disney, que até lhe deu permissão de escrever um mangá de Bambi, o desenho favorito de infância do artista japonês.

Vale ainda lembrar que Bambi foi citado como uma das referências para O Rei Leão e, coincidentemente, também foi uma inspiração para Kimba segundo o próprio Tezuka.

Plágio ou não, uma coisa é certa: a Disney e o Tezuka influenciaram um ao outro e, provavelmente, se a carreira de um deles fosse um pouquinho diferente, talvez nem teríamos algumas obras clássicas que conhecemos hoje.

Isso nos faz pensar que, quem sabe, não existe um ciclo da vida por trás disso tudo, não é mesmo?