Jovem Nerd - Notícias sobre filmes, séries, HQs, games, animes, ciência, tecnologia e humor, porque rir não faz mal a ninguém!

Forza Motorsport 7 | Review

Mais carros, mais pistas e mais um ano de disputas acirradas

Jeff Kayo Publicado por Jeff Kayo
Forza Motorsport 7 | Review

Carregue as pilhas do seu controle, tire a poeira do seu volante e ajeite seu banquinho, pois o atual rei das pistas automobilísticas retornou em sua mais nova edição. Forza Motorsport 7 chega maior, melhor e já preparado para, logo menos, impressionar muita gente também na próxima geração do console da Microsoft, o Xbox One X.

Não que ele já não impressionasse no Xbox One ou no Windows 10. Desde seus primeiros minutos, colocando o jogador dentro do belíssimo Porsche que estampa a capa do jogo, deslizando pelo deserto de Dubai, partindo em seguida para uma corrida de clássicos americanos já apresentando a nova simulação climática de chuva e ainda, finalizando com o retorno das monstruosas corridas de caminhões. Se a ideia era deixar todo mundo sem fôlego desde o início, parabéns, conseguiram.

Nunca na série foi dada tamanha atenção ao seu personagem dentro do jogo. Não em termos de história, mas de visual.

Isto é a vida real?

É difícil se conter nos elogios em relação ao visual de Forza 7. E olha que parecia impossível melhorar tanto o visual de um jogo já muito competente desde sua quinta iteração, a primeira do Xbox One. Novos efeitos luminosos, mudanças climáticas, corridas noturnas, paisagens de fundo e tudo que acontece em tempo real durante uma corrida no novo game do Turn 10 Studios deve ser apreciado. E em breve, vamos nos surpreender novamente diante do famigerado 4k do Xbox One X.

Os novos elementos que compõem o menu de Forza 7 carregam um pouco dos seus antecessores e principalmente dos seus spin-ofs. Um visual mais ‘clean’, leve e charmoso, reminiscente de Forza Horizon 3, sem o nariz empinado do gênero.

As corridas acontecem em 32 circuitos diferentes, sendo apenas um deles, Dubai Hafeet Montain Pass inédito. O novo circuito foi criado a partir do zero e faz parte do já tradicional evento de showcase que acontece desde Forza 4 (o do ano anterior foi o circuito do Rio de Janeiro).

Nem de longe a repetição é um problema. O novo sistema de condições climáticas e todas as possibilidades de variantes que podem ser criadas em cada uma das pistas garantem a diversão por meses. A chuva que acontece em tempo real, a neblina na pista, o entardecer (ou amanhecer), tudo foi construído pensando na máxima fidelidade com o nosso mundo. E em certos momentos é difícil não se confundir.

Você dentro do jogo

Nunca na série foi dada tamanha atenção ao seu personagem dentro do jogo. Não em termos de história, mas de visual. Uma quantidade bastante razoável de opções para personalizar seu piloto é dada ao jogador do início de sua campanha, e muitas outras são habilitadas no decorrer da campanha.

Essencialmente elas servem para causar inveja nos adversários dentro dos modos online do game. Não que um capacete de mergulho faça alguma diferença durante uma prova de resistência, mas tê-lo torna-se uma obrigação a partir do momento em que tomamos conhecimento de que ele existe.

As inspirações vem de todos os lugares, de marcas a cores marcantes, armaduras medievais, kimonos de ninjas, e não me estranharia parcerias com outros games do console. Tudo para deixar o jogador mais individualizado dentro da comunidade, a mesma que logo menos também vai receber de volta as provas do Forzathon e o leilão de veículos.

Carros “pica”

Uma das partes mais interessantes de Forza 7 é a a busca pelo título de colecionador de carros raros. Se antes as coisas aconteciam meio que naturalmente, adquirindo créditos e trocando-os por carros e updates — não era de se esperar algo diferente aqui –, agora você ganha níveis de experiência à medida que preenche algo muito semelhante a gigantescas tabelas de bingo automotivo.

Forza Motorsport 7 ostenta a fantástica marca de 700 veículos (mais DLCs futuros) para a escolha. É muito carro para experimentar virtualmente.

De veículos comuns a lendários, é preciso preencher todas as lacunas para subir de nível e destravar certas recompensas. Viciado que sou em carros japoneses, fui logo buscar minha listinha pessoal de bólidos orientais. Linha EVO da Mitsubishi, Mazda e seus dois RX-7, Subaru com seu Impreza clássico, Nissan e seus Fairlady Z, Silvia K’s, Skyline R-32, também chamado de Godzilla pelos mais íntimos, e claro, o ícone do arquipélago, popularizado graças a Velozes e Furiosos 2, o Skyline R-34. E qual não foi a minha surpresa ao ver um cadeado nele?

Protagonista das capas de praticamente todos os Gran Turismo até o PS2, o Nissan GT-R de 2002 é um carro destravável dentro do novo sistema de colecionador de veículos em Forza 7. Isso é uma forma excelente de dignificar certas lendas da história automobilística dos esportivos de rua, já que hoje em dia os exóticos roubam toda a atenção dos jogadores. Não tinha como não ser diferente (e esses exóticos também constam na lista).

Fica aqui também uma certa indignação da minha parte devido à falta dos esportivos de rua da Toyota. Por alguma razão, clássicos como Toyota Supra ou o famoso “drifteiro” AE-86, o Hachiroku, não estão na lista de carros selecionáveis.

OBS: uma coisa muito pessoal minha, não sei se percebeu, mas meio que sou um fanático por esportivos japoneses (e Eurobeat). Culpo um anime chamado Initial D, e por conta disso (e da falta da Toyota) dá uma tristeza vasculhar minha garagem e não encontrar o carro do entregador de tofu mais rápido de Akina.

Mesmo com meu choro velado, Forza Motorsport 7 ostenta a fantástica marca de 700 veículos (mais DLCs futuros) para a escolha. É muito carro para experimentar virtualmente.

Ser o melhor das pistas

Forza Motorsport 7 é dividido em seis grandes categorias de campeonatos. Com exceção da Seeker Championship, as demais são destravadas à medida que seus pontos como motorista aumentam.

Cada uma dessas categorias podem ser rejogadas quando quiser, mas é sempre legal ir experimentando cada uma delas de acordo com o que sua pontuação permitir. De simples corridas a provas de Rally, Gymkhanas, Open Wheels, SUVs, caminhões, desafio de marcas e até Formula-E com seus carros elétricos regulamentados pela FIA.

Os drivatar, algo como a inteligência artificial do jogo simulando o estilo de jogo de cada um dos jogadores da franquia Forza retorna com aquela dose de surpresa para as corridas. Mesmo assim, vale a pena sempre dar aquela aumentada na dificuldade do jogo para encontrar desafios melhores que ultrapassar todo mundo na largada inicial e manter sua posição até o final da corrida.

Algo que fica muito claro durante as provas em Forza 7, principalmente depois de experimentar jogos como F-1 2018, Dirt ou Project Cars 2, é a falta de regras dentro das disputas. Quase não há punição por bater acidentalmente (ou não) no adversário à sua frente ou cortar parte do trajeto. Como uma das consequências disso, a simulação do medo ao realizar uma ultrapassagem mais arriscada se perde por completo. Como de costume na franquia, estamos ali mais pelo passeio, nem de longe ruim.

Ainda um dos melhores exclusivos da Microsoft, Forza Motorsport 7 não vai decepcionar. O trabalho do time da Turn 10 Studios é digno do seu reconhecimento, mesmo dentro desse universo de lançamentos anuais que nem sempre fazem bem às franquias. É como se fosse aquela declaração do crush/da crush de cinco páginas frente e verso que você lê toda noite, até se apaixonar por outra pessoa no ano seguinte.


Esse review foi realizado com uma cópia cedida pela Microsoft. Forza Motosport 7 está disponível para Xbox e Windows 10.

Mais notícias