Doctor Who | Nova temporada começa bem e revigora a série

Nova fase deve agradar fãs antigos e conquistar mais admiradores

Cesar Gaglioni Publicado por Cesar Gaglioni
Doctor Who | Nova temporada começa bem e revigora a série

Depois de alguns meses de espera, a nova temporada de Doctor Who chegou trazendo uma nova atriz para o papel principal, novos inimigos, novas aventuras e, o melhor de tudo, um ar renovado que deve agradar tanto aqueles que acompanham as aventuras da TARDIS desde 2005, como aqueles que estão chegando agora nesse universo.

Essa mudança vem, principalmente, pela mudança de showrunner. Saiu de cena Steven Moffat, produtor e roteirista que dividia opiniões com suas tramas mirabolantes e cheias de linhas temporais diferentes, e entrou em seu lugar Chris Chibnall, responsável pela excelente Broadchurch, que já mostrou que quer reviver o espírito da série clássica, mas sem deixar de lado as questões atuais. Os temas sociopolíticos estão fortemente presentes em “The Woman Who Fell to Earth”, primeiro episódio da nova fase. Porém, Chibnall não trata tudo isso de forma panfletária ou publicitária, inserindo-os de maneira orgânica na trama.

Outra mudança bem-vinda é o fato de que Chibnall transformou os companheiros de viagens da Doutora em amigos dela. Apesar de uma certa amizade estar presente em outras temporadas, o Doutor sempre acabava se tornando uma figura que guia a humanidade em suas aventuras de um patamar superior. Aqui, a Doutora junto de Yas (Mandip Gill), Graham (Bradley Walsh) e Ryan (Tosin Cole) são amigos que estão descobrindo as coisas juntos e em pé de igualdade. Já que estamos falando sobre personagens, dá para dizer sem medo: Jodie Whittaker já é uma excelente Doutora. Em cerca de uma hora de episódio, ela já constrói uma personalidade sólida que mistura otimismo, determinação e uma visão ampla dos problemas que enfrenta, contrariando os Doutores anteriores, que demoraram alguns capítulos para encontrarem suas próprias vozes.

Visualmente, a série mudou bastante também. Usando lentes anamórficas em sua câmera, Doctor Who agora investe em um visual cinematográfico, apostando em planos e movimentos de câmera típicos dos filmes e deixando de lado as tradicionais câmeras na mão que dominam a TV no mundo todo. A direção do primeiro episódio ficou nas mãos de Jamie Childs, que usou e abusou e tomadas abertas e preferiu fazer as cenas de ação usando efeitos práticos, quase sem o auxílio de computação gráfica.

Doctor Who começou sua nova fase de maneira revigorada e triunfal, sendo um excelente ponto de partida para quem tem interesse na série, mas que tinha medo de encarar uma mitologia que foi construída em mais de 50 anos. Só nos resta aguardar para ver se o resto da temporada vai se manter no mesmo nível e se essa energia vai permanecer assim. Pessoalmente, minhas expectativas estão nas alturas!


No Brasil, a nova temporada de Doctor Who é exibida pelo Crackle.