Death Stranding | Saiba tudo o que os novos trailers explicaram sobre os bebês

Mais explicações (e dúvidas) sobre os enigmáticos Bridge Babies

Tayná Garcia Publicado por Tayná Garcia
Death Stranding | Saiba tudo o que os novos trailers explicaram sobre os bebês

Hideo Kojima revelou alguns trailers de Death Stranding durante a sua apresentação na Gamescom 2019, que apresentaram Mama e Deadman — dois personagens que, até então, não sabíamos quase nada.

Os vídeos eram focados nos dois, mas também tivemos a revelação (e a confirmação) de informações valiosas sobre os tão enigmáticos Bridge Babies, os bebês que ficam dentro de incubadoras, chamada de “BB Pods”.

No primeiro trailer, que apresenta Mama, é revelado que a personagem teve uma filha no “outro lado” e que, por conta do cordão umbilical da criança, elas ainda estão conectadas.

Mama ainda comenta que sua filha não é como os outros BTs (os monstros do “outro lado”) e está conectada apenas com ela — o motivo para isso, no entanto, não foi mencionado.

death stranding bebês
Perceba as pegadas do BT no pescoço de Mama

Pensar nisso dentro do universo de Death Stranding, dá a entender que os bebês têm uma conexão forte com o “outro plano” e são capazes de criar uma ligação entre a realidade dos vivos e a dos mortos.

Isso tudo é confirmado por Deadman no segundo trailer, que explica o que os bebês são capazes de fazer e até revela a origem deles.

Os Bridge Babies vieram de mulheres que perderam seus filhos antes deles nascerem. Pouco se sabe sobre elas até agora, apenas de que vivem na capital da UCA (Cidades Unidas da América), onde a trama se passa.

Isso fez com que os bebês estejam ligados ao “mundo dos mortos”, dando a eles o “poder” de ver e sentir os BTs. Para eles se manterem vivos, precisam ser mantidos dentro das incubadoras.

death stranding bebês
A incubadora do Bridge Baby sendo sincronizada na Bridges

No entanto, os bebês são limitados pelo seu próprio estresse e pela necessidade da incubadora poder simular o útero de sua mãe biológica — e para isso acontecer, é preciso da ajuda da Bridges, conforme é explicado por Deadman.

Simular o útero da mãe facilita a conexão entre o bebê e o mundo dos mortos. Então, você se conecta no bebê, te dando a habilidade de sentir os BTs. Essas incubadoras foram criadas para simular as condições do útero da mãe porque os bebês precisam acreditar que ainda estão lá para “funcionarem” propriamente. Só que não conseguimos manter a ilusão por tanto tempo, por isso precisamos atualizar periodicamente os dados ambientais ao sincronizar com o útero original por meio de uma rede molecular.

As pessoas acabaram descobrindo (sabe-se lá como!) que se conectar com um Bridge Baby pela incubadora, fará com que elas tenham a mesma habilidade de poder detectar os BTs — já que esse seria o único jeito seguro de explorar algumas regiões.

Já em termos de gameplay, um dos trailers revelaram que os jogadores vão precisar cuidar com o bem-estar dos bebês nas incubadoras, que podem chorar e se estressar quando Sam tomar dano, por exemplo.

death stranding bebês
Sam acalmando o Bridge Baby depois de cair e tomar dano

Até agora, as únicas mecânicas que foram mostradas revelam que será possível ninar e balançar o bebê usando o próprio controle, como se a incubadora estivesse nas mãos do jogador.

Também será possível examinar o BB Pod, possivelmente para ver se nada foi danificado, mas isso acabou não sendo explorado no vídeo.

Agora, como a relação entre o Bridge Baby, os BTs e Cliff (Mads Mikkelsen) afetará esse mundo caótico, teremos que esperar até novembro para descobrir!

Death Stranding será lançado em 8 de novembro de 2019 para PlayStation 4.