Cientistas restauram funções de cérebros de porcos horas depois da morte

Usando um substituto para o sangue

Cesar Gaglioni Publicado por Cesar Gaglioni
Cientistas restauram funções de cérebros de porcos horas depois da morte

Pesquisadores da Universidade de Yale conseguiram restaurar algumas funções de cérebros de porcos horas depois da morte dos animais. Os resultados foram publicadas pela revista Nature, uma das mais importantes na área das ciências naturais.

Os cientistas removeram os órgãos dos animais, assim que eles morreram, e os acoplaram em um sistema que bombeava um substituto para o sangue. Dessa forma, conseguiram restaurar funções como a produção de energia e a manutenção dos tecidos internos dos cérebros.

O substituto para o sangue é chamado BrainEx, e traz consigo nutrientes fundamentais e oxigênio, mas, ainda, sem a capacidade de gerar atividade elétrica nos neurônios. Os cientistas estavam posicionados com anestésicos para o caso do cérebro voltar a ter consciência, de alguma forma.  O time acredita que, para a retomada de consciência, seria necessário um choque elétrico ou a preservação do órgão por um longo período de tempo, para a reparação de danos causados pela morte.

Com o BrainEx, estruturas individuais de células e de setores do cérebro foram mantidos intactos, enquanto locais que não receberam o fluído começaram o processo de decomposição.

“Na maior parte da História, a morte era muito simples”, disse Christof Koch, líder da pesquisa. “Agora estamos questionando o que é realmente irreversível”, acrescenta. “Nós sobrevoamos alguns metros, mas realmente podemos voar?”, questiona.

Por enquanto, os usos da descoberta não foram divulgados por enquanto. Koch deseja que, antes de qualquer experimento com a retomada de consciência ser feito, haja na sociedade um debate sobre as implicações éticas do procedimento. “Quando começarmos, vai ser algo irreversível”, diz.