Chá com a Cakes

Chá com a Cakes

Venha tomar um Chá com a Cakes e falar um pouco sobre tudo que envolve cultura pop (ou não). Por: Camila Sousa

Coluna

Os comentários e opiniões contidos neste textos são responsabilidade do autor.

Por que Ted Lasso é uma série incrível mesmo para quem não gosta de futebol

Produção original da Apple TV+ usa o esporte para falar sobre temas mais profundos, incluindo sentimento e masculinidade

Por que Ted Lasso é uma série incrível mesmo para quem não gosta de futebol

Quem acompanha futebol ativamente sabe que chega a ser engraçado assistir algumas entrevistas de atletas. Com raras exceções, os jogadores costumam falar de forma dura e ensaiada, como se não se sentissem confortáveis sem uma bola no pé. Esse, e vários outros temas, são tratados em Ted Lasso, série da Apple TV+ protagonizada por Jason Sudeikis. E, ainda que a produção tenha um charme especial para quem gosta do esporte, ela funciona até para quem não dá a mínima para 22 homens tentando colocar uma bola dentro do gol.

Situada no Reino Unido, a trama mostra que o treinador Lasso (Sudeikis) foi contratado para treinar o AFC Richmond. Antes gerenciado por Rupert Mannion (Anthony Head), o clube agora está nas mãos de sua ex-mulher, Rebecca Welton (Hannah Waddingham). O que torna a trama curiosa é que Ted comandava um time de futebol americano e não faz ideia de como funciona o futebol “normal”, ou soccer, como dizem por aí. Sua contratação não passa de um plano de Rebecca para afundar o time e se vingar do ex-marido, que dava mais atenção ao Richmond do que a ela.

Criada por Joe Kelly, Bill Lawrence e Brendan Hunt (que interpreta o coach Beard), Ted Lasso é esperta ao pegar essa premissa simples e indicar que veremos uma história clássica. Em certos momentos, Rebecca é uma grande vilã, em outros há indícios de que ela e Ted podem engatar um romance, e até um triângulo amoroso envolvendo dois jogadores é colocado em cena. Porém, a grande diferença da série é como ela lida com cada tema.

Futebol é o gancho de Ted Lasso para falar sobre vários temas importantes

A começar por Rebecca, a produção mostra que ela se tornou uma mulher amargurada, cujo único objetivo é fazer o ex sofrer ao ver seu time do coração rebaixado. Seria fácil, nesse contexto, criá-la como uma grande vilã. Porém, Ted Lasso escolhe mostrar que Rebecca passa longe de ser perfeita, e está apenas muito ferida pelo que lhe aconteceu. Aos poucos, ela entende o que o futebol significa para todas as pessoas que fazem parte do AFC Richmond e repensa suas atitudes. Essa construção é feita gradualmente, pontuando os momentos em que a personagem é confrontada por suas decisões e escolhe um novo caminho. No fim das contas, Rebecca entende que precisa seguir a vida para além de Rupert, e que usar pessoas em sua vingança não vai apagar o que aconteceu.

O próprio Ted Lasso, interpretado brilhantemente por Jason Sudeikis, é muito mais do que vemos no começo. Extremamente otimista e verborrágico, o treinador chega a ser irritante com seu bigode gigante e atitudes felizes. Nos primeiros episódios, Ted soa como uma caricatura, e isso baixa a guarda do público, que pensa já saber tudo sobre ele. Exatamente por isso, quando as camadas de Ted são reveladas, quem assiste é pego de surpresa. Com todo o seu positivismo, o protagonista mostra porque é daquela forma e como enxerga a masculinidade de homens como Rupert, que precisam mostrar superioridade a todo momento.

O tema de como homens lidam com seus sentimentos, aliás, permeia toda a história de Ted Lasso. Com vários jogadores e equipe técnica, o AFC Richmond tem pessoas lidando com pressão familiar, pais abusivos, dificuldade de demonstrar e receber carinho, rivalidade e várias outras emoções. A série aponta como jogadores de futebol, e homens no geral, são ensinados a não demonstrar sentimentos, e isso gera uma grande confusão interna com a qual eles não sabem lidar. A resposta, muitas vezes, acaba sendo dada dentro de campo, como um escape físico para algo que deveria ser resolvido de outra forma.

Nem o emburrado Roy Kent resiste às conversas com o treinador Lasso

Colocando assim, pode parecer que a série é repleta de clichês, mas o surpreendente é como tudo é desenvolvido de forma orgânica. Desde o emburrado Roy Kent (Brett Goldstein), até o boyzinho Jamie Tartt (Phil Dunster), todos os personagens de Ted Lasso são construídos de forma crível, com todas as ambiguidades e imperfeições que fazem parte da vivência humana. Tal característica cria uma conexão imediata com quem assiste à produção, que vai muito além do futebol. Claro, se você é fã do esporte, há camadas a mais de emoção, como quando o AFC Richmond luta para não ser rebaixado da Premier League.

Porém, da mesma forma que o treinador Lasso conquista o coração de todos mesmo sem entender nada de futebol, a série Ted Lasso encanta até o mais cético sobre o esporte, que dificilmente terminará a segunda temporada sem ficar com algum grito de guerra dos jogadores na cabeça (“Roy Kent, Roy Kent, he’s here, he’s there, he’s every fuc**** where”).

As duas temporadas de Ted Lasso estão disponíveis no Apple TV+.

div-ad-vpaid-1
div-ad-sidebar-1
div-ad-sidebar-halfpage-1